Publicidade

Por Murilo Molina; Por TechTudo

TechTudo

Borderlands: The Pre Sequel é o novo game da 2K que acompanha os eventos sediados entre os dois primeiros games da série. Com a presença de alguns personagens icônicos, como Clap-Trap e Handsome Jack, e um grande mapa repleto de missões, será que The Pre-Sequel faz o bastante para honrar o nome da série? Confira a nossa análise completa.

Review Borderlands: The Pre-Sequel (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Apoiado por seu corriqueiro senso de humor, Borderlands está de volta, dessa vez contando a história que precedeu o segundo game, e no surgimento de um dos personagens mais memoráveis da série, Handsome Jack.

A primeira decisão em The Pre-Sequel é talvez a mais complicada de todo o jogo – escolher uma das quatro classes. Cada uma possui suas próprias habilidades, particularidades, além de uma arma inicial. Entre eles estão Athena, Wilhelm, Nisha e Clap-Trap, popular NPC da série que faz sua estreia como personagem jogável.

Assim como nos jogos anteriores, os jogadores são guiados por um número limitado de missões, até que o mapa seja liberado, permitindo que eles vaguem pelas redondezas derrotando inimigos, buscando itens, ou procurando por missões secundárias.

Elementos de RPG são uma das principais características de The Pre-Sequel (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Diferente do padrão visto em games de tiro em primeira pessoa mais diretos, essa interação com o ambiente é necessária em Borderlands, devido aos seus fortes elementos de RPG. Os personagens começam fracos, com armas muito limitadas e sem nenhuma habilidade especial.

Conforme o avanço da campanha acontece, o herói subirá de nível, destravando novas habilidades, ficando mais resistente, e tendo acesso a armamentos mais poderoso. Esses itens podem tanto ser encontrados pelo mapa e conseguidos com personagens, quanto comprados nas lojas dedicadas do game

A temática das missões do jogo é surpreendentemente variada, especialmente considerando as mais de 12 horas da campanha principal. Os objetivos, cenários e inimigos variados parecem não precisar de muito esforço para manter a experiência fresca e interessante por toda a extensão do jogo.

O ritmo das missões começa ameno, com tarefas simples e bastante diretas, mas não demora muito a se tornar mais intenso, para não dizer cruel. Jogadores sem muita experiência no gênero, ou que ainda não conseguiram muitos itens fortes, têm tudo para encontrar dificuldades consideráveis logo depois de algumas horas de jogo.

Algumas das batalhas são muito complexas (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

A situação se agrava nas batalhas contra chefes, que requerem habilidade e sangue frio. Não se assuste caso seja necessário reiniciar os combates por dezenas de vezes, até que seja finalmente possível detonar o chefe.

Uma das novidades foi a adição do sistema de oxigênio, responsável pelo ar fresco dos personagens fora da órbita do planeta. Uma barra na parte inferior da tela mostra quanto O2 ainda está disponível, e obriga os heróis a procurarem estações de recarga ou tubos constantemente.

Os Oz Kits ainda podem ser usados como uma espécie de jetpack, que faz os personagens flutuarem por alguns segundos, ou para criar grandes impactos no chão, jogando adversários para longe.

Borderlands: The Pre Sequel (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Os veículos estão de volta, como uma opção para as longas viagens pelos mapas. São apenas dois modelos, um jipe e uma espécie de moto voadora. Apesar de cumprirem o papel de acelerar a movimentação, eles são um tanto desajeitados, causando uma série de acidentes, e por vezes até mortes desnecessárias.

Seguindo o padrão dos outros títulos da série, The Pre-Sequel usa o estilo Cel-Shading para criar um visual que remete a desenhos animados e quadrinhos. O resultado é bacana, especialmente com cores vibrantes e contornos fortes dos personagens e objetos.

Com a ausência de uma versão para os consoles da nova geração, é fácil reparar em alguns problemas com o visual do jogo, incluindo demora acentuada no carregamento de texturas, quedas consideráveis no desempenho e muito serrilhado.

O visual tem carisma, mas fica devendo em alguns pontos (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

De quebra, o jogo ainda é praguejado por uma série de bugs, que insistem em deixar adversários presos em partes do mapa, afundá-los em texturas ou impedir que certas áreas sejam acessadas. Nesses casos, a única alternativa é reiniciar o jogo.

A parte sonora é a principal responsável pelo carisma dos personagens, e executada com maestria. A atuação dos dubladores mantém o alto nível dos títulos anteriores, criando o clima descontraído do game. A trilha sonora não chega a se destacar, mas complementa bem a ação das missões.

Uma das opções mais interessantes do game é a de se juntar a outros amigos para cumprir a campanha em grupo. Isso é possível tanto pela internet (usando as redes Live e PSN), quanto usando controles adicionais ligados a um mesmo console.

No total, até quatro personagens podem frequentar o universo do game. Além de divertido, o modo multiplayer também deixa a dificuldade de alguns desafios mais balanceada, já que múltiplos jogadores podem ajudar.

Modo multiplayer é um dos principais diferenciais (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Durante e após a campanha, os jogadores podem apelar para diversas missões secundárias para prolongar a duração do game. Elas também são uma ótima (e quase obrigatória) alternativa para melhorar o personagem, preparando-o para os complicados níveis finais da campanha.

Borderlands: The Pre-Sequel é uma nobre investida da 2K para disponibilizar ainda mais conteúdo da franquia para os fãs. Apesar dos problemas, a campanha honesta, variedade de armas e equipamentos, e o divertido modo multiplayer são o bastante para tornar o game uma bela opção para os novos e velhos jogadores do game.


Qual jogo você mais quer comprar este ano?
Opine no Fórum do TechTudo.

7

Gráficos
7
Jogabilidade
7
Diversão
6
Som
8

Prós

  • Campanha divertida e variada
  • Variedade de armas e itens
  • Mapa grande e cheio de conteúdo
  • Modo multiplayer divertido

Contras

  • Gráficos problemáticos
  • Bugs
  • Dificuldade desbalanceada

Mais do TechTudo