Jogos de aventura

NOTA tt
8.0

Review Contrast

Jogo para PC e PlayStation 4 conta a história emocionante de uma menininha que passa pelo processo traumático de separação dos pais.

Felipe Velloso
por
em

Contrast é o mais novo jogo independente de plataforma a ser lançado ao estrelato graças ao seu charme e estilo. Disponível para PCs e para o PlayStation 4, ele narra a história de Dawn, uma amiga imaginária de uma criança que está vivendo um traumático processo de separação de seus pais. Confira o review completo abaixo.

Contrast (Foto: Divulgação)Contrast (Foto: Divulgação)

Narrativa

A história de Contrast se passa durante os anos vinte em uma belíssima Paris, aqui representada como todo o esplendor de cores, contrastes e música que a cidade merece neste período. Apesar de você jogar com a acrobata (ou mímica pela mudez) Dawn, a personagem principal desta história é Didi, uma adorável menina que está tentando reunir os seus pais, que graças as suas personalidades fortes e distoantes parecem em guerra um com o outro.

O belo jogo de sombras de Contrast (Foto: Divulgação)O belo jogo de sombras de Contrast (Foto: Divulgação)

Dawn é como uma amiga imaginária, ou uma projeção da cabeça da criança, você não consegue enxergar mas não há ninguém no mundo além de Didi, e toda a sua interação com os outros personagens se dá através das suas sombras na parede.

Uma Paris com decadência e elegância (Foto: Divulgação)Uma Paris com decadência e elegância (Foto: Divulgação)

O jogo narra a brilhante trajetória vivida por Didi, mostrando a criança lentamente amadurecendo e entendendo os problemas de seus pais. Nesse sentido, ele oferece um trabalho incrível e recompensador para os jogadores e é simplesmente interessante demais para você parar no meio.

Se focar em um elemento humano, como a interação amorosa de dois adultos em crise, diante de uma criança aflita torna o tema do jogo bem mais interessante e diferenciado do que estamos acostumados nesta indústria. Torcemos para que Contrast se mostre um grande sucesso justamente para abrir as portas para narrativas mais introspectivas e emocionais. Tudo isso é realizado com um enorme sentido de ritmo, você começa o jogo tão confuso quanto Didi, e aos poucos vai compreendendo a dimensão dos problemas que levaram a separação do casal, e uma excelente demonstração de bom enredo.

Jogabilidade

A jogabilidade de Contrast, como o nome deixa claro é baseada em um contraste, misturando um jogo de plataformas mais tradicional em duas dimensões com o mundo 3D mais comum nos dias de hoje. Dawn tem a habilidade de se transformar e interagir com as sombras utilizando isso para chegar nos mais diferentes locais.

Didi e Dawn, as protagonistas de Contrast (Foto: Divulgação)Didi e Dawn, as protagonistas de Contrast (Foto: Divulgação)

Neste quesito o jogo apresenta suas maiores falhas, apesar de funcionar bem como um todo, especialmente nos quebra-cabeças que envolvem adequar fachos de luz e objetos para criar ambientes navegáveis nas sombras, ele também falha ao usar muitos clichês. Nada é pior do que ter de carregar uma caixa até um botão para abrir uma porta, e Contrast tem dezenas de puzzles que envolvem este gesto já tão banalizado em dezenas de jogos.

Contrast sofre de um mal que muitas vezes acomete os jogos independentes, ele é muito curto e dentro de poucas horas você chegará ao seu final. Isto não é necessariamente um defeito, já que o jogo é conciso e consegue terminar sem nenhuma ponta solta e lhe dando satisfação por tê-lo completado. Apesar disso, no mundo de hoje, muitos jogadores esperam um modo multiplayer, ou dezenas de segredos perdidos que lhe farão repetir as fases, características que não serão encontradas neste título.

Apresentação

Visualmente, Contrast é um jogo belíssimo, de nuances e tons que farão com que você se apaixone por ele. Do design dos personagens até a belíssima utilização da Paris dos anos vinte como palco colocam este título entre os mais bonitos do ano. A forma como a história é contada através do jogo de sombras projetadas nas parede do cenários torna tudo ainda mais belo e diferenciado.

Todos os ambientes do jogo dão muito bem polidos (Foto: Divulgação)Todos os ambientes do jogo são muito bem polidos (Foto: Divulgação)

Musicalmente Contrast conta com uma trilha sonora original que se inspira nos sons do período, misturando estilos que vão desde o clássico Cabaret até big bands de Jazz e ragtime. A atmosfera sonora contribui muito para dar o clima do jogo e é essencial a experiência vivida pelo jogo.

Apesar de ser um dos títulos de lançamento para o PS4, Constrast não demonstra ser efetivamente um título de nova geração, o que nos leva a crer que ele poderia rodar perfeitamente em um PS3. Visualmente ele é muito bonito, ainda assim, isso se dá muito mais pelo seu estilo do que por alguma inovação técnica. Isto fica evidente quando jogamos Contrast no PC, que não exige um computador particularmente potente para rodar bem.

Conclusão

Contrast é um dos mais lindos jogos do ano, se valendo da belíssima estética dual de “decadence avec elegance” da Paris dos anos vinte. Com uma história criada na medida para emocionar os jogadores, o título carece apenas de mais originalidade em seus quebra-cabeças.

Qual console tem os melhores jogos exclusivos? Opine no Fórum do TechTudo.

Nota TechTudo

NOTA tt
8.0
Gráficos
9
Jogabilidade
7
Diversão
8
Som
9

Prós

  • - História emocionante
  • - Cenário e visual arrebatador
  • - Divertidos puzzles com sombras

Contras

  • - Bugs diversos
  • - Puzzle com caixa pouco original
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares