Por Bernardo Dabul; Por TechTudo

TechTudo

The Crew, criado pela desenvolvedora Ivory Tower, é um jogo de corrida multiplayer que pega emprestado vários elementos de MMOs. Embora sua jogabilidade seja interessante, possui alguns problemas que atrapalham na experiência geral. Confira o review completo de The Crew.

crew-capa — Foto: TechTudo

O jogo possui uma história que parece ter sido inspirada na franquia Velozes e Furiosos, ou seja, nada demais. Alex Taylor é incriminado falsamente pelo assassinato de seu irmão por um agente do FBI corrupto e pelo líder da gangue 510, passando com isto cinco anos na cadeia. Agora, uma agente chamada Zoe necessita da ajuda de Alex e de suas habilidades ao volante de um carro para se infiltrar na gangue, expor o agente corrupto e derrubar o 510 de uma vez por todas.

A narrativa serve somente como um pretexto para o jogador participar de corridas e explorar o imenso mapa do jogo. Os personagens são rasos e fica difícil qualquer investimento emocional na jornada de vingança de Alex quando tudo pode ser resolvido apenas vencendo uma corrida.

Além das missões que acompanham a narrativa principal, The Crew também oferece modos PvP online, corridas secundárias, missões cooperativas, desafios, além da exploração livre do mapa. A quantidade de conteúdo presente é enorme, dando ao jogador bastante o que fazer.

crew-dirt — Foto: TechTudo

Embora a maior parte das atividades possam ser jogadas individualmente, fica bem claro que estas foram desenvolvidas tendo o seu aspecto cooperativo em mente. Até quatro jogadores podem se juntar para completar estas atividades, que variam entre corridas normais, fuga da polícia e perseguição de um alvo específico. Adicionalmente, o jogo incentiva que a equipe trabalhe em conjunto uma vez que, se as condições forem cumpridas, todos ganham a recompensa. É um sistema elegante que evita que alguém prejudique o time na busca da glória individual do primeiro lugar.

Já o PvP, como o nome indica, é onde os jogadores levam seus carros para competir entre si. Em geral, o sistema de matchmaking faz um trabalho adequado de achar jogadores com carros em níveis equivalentes, tornando a experiência mais agradável e a competição mais acirrada para todos os envolvidos.

Apesar de tantas atividades, um dos aspectos principais do jogo é seu mundo aberto. O país do mapa é os Estados Unidos (porém em uma escala menor). Assim, em um momento pode-se estar correndo pelo Times Square em Nova York, para em seguida pegar a estrada para o oeste até chegar a Los Angeles. Desde o início o jogador é livre para explorar o mapa e traçar seu próprio caminho. São realmente impressionantes a escala e a quantidade de locais característicos introduzidos.

crew-mapa — Foto: TechTudo

O possível problema de um mapa tão grande é que dirigir de um lugar para outro pode ser uma experiência entediante caso não haja algo interessante para fazer no percurso. Felizmente, The Crew tenta remediar este fato com desafios espalhados pelo mapa. Alguns deles pedem que o jogador dirija em alta velocidade e continue na estrada, enquanto outros têm como objetivo saltar de uma rampa cobrindo uma distância mínima sem tocar no chão. Existe uma boa variedade de desafios, todos possuindo três níveis de recompensas, incentivando o jogador a voltar e tentar novamente até conseguir o melhor resultado.

Em termos de jogabilidade, The Crew tem como objetivo ser semelhante mais a Need for Speed do que a Gran Turismo, por exemplo. Com isto, o controle é muito mais solto, colisões não têm impacto tão grande (a não ser que sejam diretas) e todos os carros possuem um kit de "Nitro" embutido. Como o jogo tem como tema corridas de rua e gangues, este é um estilo adequado.

Adicionalmente, uma série de modificações podem ser feitas no carro do jogador. A primeira delas diz respeito a especificação, existindo seis tipos: Fullstock, Street, Dirt, Perf, Raid e Circuit. Cada uma destas tem seus pontos fortes e fracos, dando bastante liberdade para o jogador selecionar seu estilo de preferência.

A experiência completa de The Crew só será possível em consoles da nova geração (Foto: Divulgação) (Foto: A experiência completa de The Crew só será possível em consoles da nova geração (Foto: Divulgação)) — Foto: TechTudo

Além das especificações, também existem peças que podem ser equipadas para melhorar a performance do veículo e que possuem níveis e cores diferentes. Quanto maior o nível e melhor a cor (bronze, prata e ouro), melhor o benefício para o carro. Estas são adquiridas primariamente ao completar qualquer tipo de atividade oferecida pelo jogo, fazendo com que a todo momento o jogador esteja melhorando seu carro e recebendo uma recompensa imediata pelos seus esforços.

Um dos maiores problemas de The Crew acontece todas as vezes que o jogador tenta comprar algo novo. Além do dinheiro padrão (Bucks), o jogo também possui uma moeda especial chamada de “Crew Credits”. Estas podem ser compradas usando dinheiro de verdade, como forma de acelerar a aquisição dos carros e peças mais caras. Isto não seria um problema se o preço dos mesmos em “Bucks” não fosse extremamente alto, necessitando um investimento de tempo exagerado para arrecadar fundos para tal. A impressão que fica é que todos os preços em Bucks foram inflados de forma a incentivar os jogadores a comprar Crew Credits. Levando em consideração que o jogo base custa R$100,00, isto é inaceitável.

Outro aspecto negativo do jogo é sua inteligência artificial durante corridas. Como as missões foram idealizadas para quatro jogadores, qualquer quantidade menor apresenta problemas. Os carros adversários do nada recebem surtos de velocidade, deixando o jogador para trás, com quase nenhuma esperança de se recuperar. Assim, jogar sozinho torna-se extremamente frustrante.

crew-raid — Foto: TechTudo

O fato do mapa de The Crew ser tão grande e a quantidade de eventos ser tão extensa tem um preço. Os gráficos não são nada demais, especialmente quando comparados a outros jogos de corrida de mundo aberto, como Forza Horizon 2. Os modelos dos veículos não são extremamente detalhados e o dano de colisão é pequeno. As animações, quando peças estão sendo trocadas, são interessantes mostrando o desmonte e o que está sendo alterado. Depois de algumas horas porém, deixam de ser tão impressionantes.

O mundo também não possui muita fidelidade gráfica. Correr em alta velocidade não é incômodo, porém ao reduzir para olhar os arredores, percebe-se que nem as cidades nem o caminho possuem grande detalhamento.

Quanto ao som, este deixa bastante a desejar. A atuação em geral é aceitável, sendo o maior problema o roteiro da narrativa. A trilha sonora é extremamente genérica, com somente algumas músicas servindo para animar as corridas. O fato do som dos motores dos veículos não se destacar no meio da composição também é uma pena.

The Crew (Foto: Divulgação) (Foto: The Crew (Foto: Divulgação)) — Foto: TechTudo

The Crew é um jogo com ideias muito interessantes e extremamente divertido de jogar com amigos, porém uma inteligência artificial desequilibrada, gráficos que deixam a desejar e um sistema de micro transações mal balanceado, fazem com que a experiência final fique longe de seu potencial.

  Review The Crew


Qual o melhor jogo da Ubisoft?
 Opine no Fórum do TechTudo!

6.5

Gráficos
6
Jogabilidade
7
Diversão
7
Som
6

Prós

  • - Mapa imenso
  • - Muito o que fazer
  • - Jogar com amigos

Contras

  • - Micro transações
  • - IA Problemática

Mais do TechTudo