Jogos de RPG

NOTA tt
7.5

Review The Elder Scrolls Online

O game parece uma versão online de Skyrim, o que não é ruim, mas também não é bom.

Felipe Vinha
por
em

The Elder Scrolls Online foi lançado para Windows e Mac após algum tempo em produção. O MMO situado no mundo do famoso RPG que fez fama nos computadores e consoles vem para levar seus fãs a um universo totalmente online e com muito o que fazer. Há diversas semelhanças com os títulos da saga e isso pode ser, ao mesmo tempo, ruim e bom. Leia nossa análise completa e entenda um pouco mais sobre o que te espera:

Leia também nossa análise completa de The Elder Scrolls 5: Skyrim

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)


De volta a Tamriel

Tamriel é novamente o cenário da aventura neste novo The Elder Scrolls. O continente é o nosso mundo para ser explorado e está bem representado, com detalhes mínimos. A história se desenvolve com base em lendas presentes no panteão da saga, com direito a nomes famosos que são citados e lembrados.

Após um breve período de paz, a terra de Tamriel é novamente ameaçada por forças das trevas que despertaram e trouxeram um inverno ainda mais gelado aos seus habitantes. Uma explosão arcana ocorreu em Imperial City e despertou demônios e outras criaturas malignas, que mataram alguns dos mais poderosos magos e deixaram outros loucos.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

No meio deste caos, três diferentes facções juram proteger Imperial City das ameaças, ainda que não concordem com tudo o que a outra faz entre si, o que acaba gerando mais conflitos com o tempo. O personagem do jogador, no início, é apenas “mais um”, mas sua forma de evolução pode ajudar a mudar o mundo, graças às profecias que estão sempre presentes em cenários épicos.

A personalização de seu herói é vasta, com muitas opções sobre o que montar e com muito controle sobre sua aparência. Cada raça possui um visual próprio e temos a possibilidade de configurar cor de pele, cabelo, olhos e por aí vai. No geral, dá para ficar alguns bons minutos neste criador inicial - algo raro em muitos MMORPGs da atualidade.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

O jogador começa como um prisioneiro, o que é comum na série The Elder Scrolls, e precisa construir seu personagem com base nas raças disponíveis, entre elas os Breton, Altmer, Dunmer, Redguard, Argonia, entre outras, cada uma com sua base de aliança própria, entre as três facções presentes – Daggerfall Covenant, Ebonheart Pact e Aldmeri Dominion.

O mais interessante da história é que ela se passa cerca de mil antes dos eventos de Skyrim, ou 800 anos antes de The Elder Scrolls 4: Oblivion. Muito do que se viu nestes jogos sequer sonhava em aparecer por aqui, ou assim pensávamos.

Se sentindo em casa

The Elder Scrolls Online carrega o sentimento de ser um verdadeiro jogo da série. Sua jogabilidade em primeira pessoa é característica, mas há a possibilidade de alternamos para a câmera em terceira pessoa, que está um pouquinho melhor do que era nos outros jogos, bem configurada e posicionada em relação à visão do jogador.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

Os comandos podem parecer estranhos no início, com muitas teclas de confirmar espalhadas pelo teclado, o que possivelmente deixou a compatibilidade com um controle padrão inviável, ainda que uma versão para consoles esteja nos planos futuros. Contudo, eles fazem sentido com o tempo, já que são bem similares ao que se viu durante o desenvolvimento da série, em seus outros capítulos lançados.

Atacar e se defender ainda funciona bem ao clique do mouse, e isso é bom, já que mantém também aquele sentimento de total controle sobre as ações de seu personagem durante os combates. Você sabe exatamente em que momento defender ou atacar – isso, é claro, dependendo de seu nível de técnica nos embates e também da classe, já que muitas são baseadas em magia, e não em ataques físicos.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

The Elder Scrolls Online mantém ainda o realismo em termos de equipamentos, com limites para que o jogador carregue itens e utensílios que podem ser coletados para a criação de armas e armaduras. O sistema de criação merece aplausos à parte, já que é bem complexo e extremamente detalhado em alguns pontos. É possível gastar horas de jogo somente coletando itens em missões paralelas para criar aquela espada gigantesca para seu guerreiro ou um item de proteção mágico que vai te deixar bem mais preparado para batalhas.

Liberdade, liberdade

The Elder Scrolls Online também preza pela liberdade, como é costumo nos games da saga. O jogador pode fazer o que bem entender – seja realizar uma missão qualquer, coletar itens livremente, eliminar monstros em determinado mapa ou simplesmente ficar vivendo em uma vila de forma pacífica. O jogo te dá tanta liberdade de escolha que, na verdade, qualquer classe de personagem pode utilizar qualquer arma presente na aventura. Não há limitações! Um mago, por exemplo, pode lutar com uma espada de duas mãos, se bem entender, para resolver aquela missão complicada que resolveu fazer.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

Por falar em missões, elas estão “meio a meio”. Explicamos: elas se parecem com missões típicas de MMO (colete isso, colete aquilo), mas ao mesmo tempo também possuem características marcantes de qualquer outro Elder Scrolls (“elimine o cultista que está raptando mulheres nas montanhas”, por exemplo). Esse meio termo ficou bem adequado ao atual cenário, ainda que jogadores mais “hardcore” possam estranhar as tarefas mais corriqueiras e casuais.

Além de tudo isso, ainda temos a presença de um modo PvP, ou seja, de jogador contra jogador, mas que pode ser um pouco decepcionante. Acontece que o PvP ocorre dentro de uma cidade gigante, onde as três facções do jogo estão em guerra, e o jogador acaba se metendo no conflito. O problema é que este cenário é de completo caos e você não vai ter tempo para parar e respirar nem um pouco. É magia voando para todo o lado, golpes saindo do chão e por aí vai. Ao mesmo tempo que é interessante ver algo assim, tão diferente, em um MMO, também é um pouco frustrante.

Gráficos… não tão épicos assim

O game nos pareceu bonito, rodando em PCs mais modestos, mas basta instalá-lo em uma máquina mais potente e configurar seus gráficos para o máximo e ver que ele não tem muito a oferecer. Em geral o seu visual é bem genérico e pouco inspirado. Os personagens, principalmente os NPCs, controlados pelo computador, parecem ser todos os mesmos, e os cenários não passam um ar muito criativo.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

Não nos entenda mal, sabemos que é padrão um MMO não ter gráficos extremamente detalhados ou de última geração, mas o trabalho feito em The Elder Scrolls Online não lembra nem mesmo o que é visto em Skyrim, que era bonito, mas já é um jogo da geração passada. Contudo, muitos não devem reclamar disso, já que o conteúdo acaba compensando.

Felizmente o som está em boa qualidade, com elenco estelar e famoso de outros jogos presente na dublagem – como Jennifer Hale, a “Comandante Shepard” de Mass Effect -, e uma trilha sonora impecável.

Mas e o preço?

The Elder Scrolls Online tem um sistema polêmico. Ele custa cerca de US$ 30 (ou R$ 65 em uma conversão direta, sem impostos) em sua compra inicial, que dá direito a 30 dias de aventuras para o jogador. Após isso, é preciso assinar US$ 15 por mês para continuar jogando. A pergunta que nos fica pendente é: vale a pena?

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

Como você deve ter percebido em nossa análise, o jogo se parece muitíssimo com outros games da saga Elder Scrolls, principalmente Skyrim e Oblivion em segundo lugar. Não há um diferencial concreto sobre o que ele pode ter para prender jogadores, mesmo aqueles que são muito fãs da saga. Além de ter um visual um pouco genérico, sua jogabilidade geral e sistemas lembram bastante os títulos anteriores, o que pode ser um problema.

A impressão que fica é que a Bethesda resolveu lançar um “Elder Scrolls com assinatura”, como se fosse um game para um jogador, mas cobrando mensalmente por isso. Tudo por conta da falta de originalidade na inserção de elementos de MMORPGs. Existem grupos, guildas de personagens e o PvP, mas nenhum destes sistemas é tão bem desenvolvido a ponto de justificar que o game seja apenas multiplayer.

The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)The Elder Scrolls Online (Foto: Divulgação)

É claro que você pode apenas comprar The Elder Scrolls Online e aproveitar uma boa parte de seu conteúdo em 30 dias, tempo mais do que suficiente para terminar um Skyrim, por exemplo, mas vai ser um pouco difícil justificar que o fã continue pagando mensalmente, a não ser que novas e relevantes atualizações surjam com frequência.

Conclusão

The Elder Scrolls Online pode ser uma faca de dois gumes. O jogo é divertido na medida certa e tem muitos bons elementos, como a disponibilidade de muitas raças, liberdade, combates épicos e muito das lendas deste rico cenário. Mas, por outro lado, além dos gráficos fracos, ele também possui poucas surpresas, inovações ou atrativos que façam um jogador continuar assinando seu serviço após o mês inicial. Quem aproveitou assiduamente os títulos anteriores da saga não deve encontrar nada muito diferente aqui – e isso é bom e ruim ao mesmo tempo.


Com qual aliança você gostaria de jogar em TESO? Opine no fórum do TechTudo!

Nota TechTudo

NOTA tt
7.5
Gráficos
7
Jogabilidade
8
Diversão
7
Som
8

Prós

  • - Batalhas bem articuladas
  • - História envolvente
  • - Personagens carismáticos
  • - Jogabilidade

Contras

  • - Sem surpresas
  • - Assinatura dispensável
  • - Gráficos decepcionam
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Cassio Alves
    2014-04-04T18:53:14  

    o povo burro que fez a materia pse n tem como coloca grafios como os de skyrim em um mmorpg suas antas pq como pessoas com computadores"modestos" poderiam jogar?

    recentes

    populares

    • Cassio Alves
      2014-04-04T18:53:14  

      Concordo com você. E tenho certeza que se fosse feito na mesma pegada de Skyrim, "graficamente" falando, iriam colocar como um ponto negativo. Vai entender....

    recentes

    populares

    • Cassio Alves
      2014-04-04T18:53:14  

      Cassio, Atualmente existem jogos excelentes graficamente que também rodam em computadores de baixo desempenho, como é o caso do GuildWars 2, embora fique muito mais bonito em computadores que não seja o PC do Milhão, Xuxa, Hot Wheels... Parece que o ignorante é você.

  • Matheus Yamanishi
    2014-04-07T15:54:37

    Participei de 3 betas de TESO e sinceramente achei que a diversão no jogo é zero. O jogo não me passa a sensação de um bom MMO e nem a de um bom título da franquia Elder Scroll. Sinceramente, fiquei bem decepcionado pois pelo tempo que levou para ser produzido, esperava algo bem melhor. Gráficos são algo relativo, jogabilidade simples bem como a de Skyrim mas história, imersão e a sensação de estar jogando algo que queria ser Elder Scroll mas tentou ser MMO e acabou não sendo nem um nem outro frustraram o jogo todo. Se fosse dar uma nota, 4.5 estava de bom tamanho e via longa ao Dovahkiin

  • Daniel Souza
    2014-04-07T09:08:15

    CARAS TÃO JOGANDO SKYRIM COM TUDO NO MINIMO E FALAM QUE O GAME TEM GRÁFICO RUIM. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Fabio Lima
    2014-04-04T16:23:52  

    Sou fã da série e, mesmo lançado em 2011. Ainda continuo jogando eventualmente Skyrim pelo conteúdo e diversão do jogo. Porém, dificilmente comprarei esse jogo justamente pela assinatura mensal. Desde o início achei que esse lance da assinatura seria um tiro no pé da Bethesda. De qualquer forma, espero ansiosamente que saia um novo jogo para a nova geração.

    recentes

    populares

    • Fabio Lima
      2014-04-04T16:23:52  

      Também estou aguardando Fábio, quando li esse lance de assinatura desisti na hora, o jeito é aguardar!

  • Fillip Candido
    2014-04-04T21:05:00

    Ak não entendi um item dos contras.. " Assinatura dispensável" Pra mim teria que pagar por mes entao é INDISPENSÀVEL...

  • Vinícius Bonassoli
    2014-04-04T18:10:25

    Porque o primeiro mês é mais caro que os outros??? No final vou ficar pagando o jogo e ele vai se tornar um mero Skyrim super caro...

  • Leonardo Ferreira
    2014-04-04T16:36:40

    Nem pelos graficos, pq nem sempre um gráfico top faz um jogo ser bom, vide Dark Souls 2. Eu quase comprei esse jogo na pré-venda, mas quando eu vi que tinha q fazer assinatura mensal, eu desisti na hora, não sei se vale a pena.

  • Augusto Zamataro
    2014-04-04T16:16:57

    Anos de propaganda, e segundo todas as análises até agora, um jogo mediano. Triste