Jogos de aventura

NOTA tt
4.0

Review The First Templar

Seguindo o gênero ação/aventura nos moldes de clássicos como Dragon Age, a Kalypso trás os cavaleiros templários para o Xbox 360 e PC em um enredo que mistura história e fantasia, mas com um jogo que beira a simplicidade. Confira o review completo:

Diego Borges
por
em

Nome: The First Templar  
Gênero: Aventura/RPG
Distribuidora: Kalypso
Plataformas: PC / Xbox 360

The First Templar (Foto: Divulgação)The First Templar (Foto: Divulgação)

Seguindo o gênero ação/aventura nos moldes de clássicos como Dragon Age, a Kalypso  trás os cavaleiros templários para o Xbox 360 e PC em um enredo que mistura história e fantasia, mas com um jogo que beira a simplicidade. Confira o review completo:

Fazer direito ou não fazer? 

São diversos os estúdios que buscam espaço ao sol desenvolvendo jogos baseados em mecânicas de sucesso, mas são poucos que em tão pouco tempo conseguem chamar a atenção positivamente. The First Templar é um exemplo de que para entrar no ramo é preciso ser grande.

O jogo apresenta um enredo baseado no conto dos cavaleiros templários em busca do Santo Graal. Diferente do que é contado nos livros de história, The First Templar mistura batalhas contra a inquisição européia e criaturas mitológicas, o que de certa forma “quebra o gelo” do enredo um tanto manjado de filmes e livros que retratam as batalhas e conflitos da época.

The First Templar (Foto: Divulgação)The First Templar (Foto: Divulgação)

Por incrível que pareça, o jogo apresenta um enredo melhor do que muitos jogos campeões de vendas, já que estes se limitam a uma embromação para justificar tiroteios e/ou pancadarias que não fazem o menor sentido. Mas toda essa simpatia pela trama do jogo vai embora em virtude dos diversos defeitos que serão explicados mais abaixo. 

Andar e bater, só isso

The First Templar se limita a essa regra, andar e bater em todos que surgem a sua frente. O jogo é um típico exemplo dos beat´n up atuais em que o seu único objetivo é destruir seus inimigos de uma ponta a outra do cenário. Essa mecânica agrada a jogadores casuais que procuram um passatempo simples e prático ao invés de jogos complexos que envolvem raciocínio e missões paralelas.

Essa poderia ser uma tarefa bem mais simples se o mapa do jogo apresentasse o caminho. Este por sua vez se limita a mostrar pontos coloridos em um mapa sem traçado algum, atuando de forma parecida com uma bússola. Se os cenários cooperassem e fossem menos repetitivos não haveria tanta dificuldade para achar o caminho certo. 

The First Templar (Foto: Divulgação)The First Templar (Foto: Divulgação)

No paraíso da simplicidade

Conforme foi dito no início do texto, não é qualquer estúdio que consegue desenvolver um bom trabalho em relação à parte gráfica de um jogo. Além de trabalhar com engines cada vez mais evoluídas e prontas para um verdadeiro show visual, é necessário muito trabalho de pesquisa e desenvolvimento para alcançar o mínimo aceitável para jogos da atual geração.

A Kalypso tentou, mas mesmo assim The First Templar fica longe dos gráficos de jogos do gênero como Rise e Dragon Age. A começar pela falta de capricho na textura dos cenários, deixando casas e paisagens muito lisas e sem muitos detalhes. Os personagens não fogem a regra e também foram desenhados sem muitos detalhes. Em alguns momentos podemos nos deparar com criaturas desfiguradas que deixam a dúvida no ar, o que seriam? Goblins? Orcs? Golens?

The First Templar  (Foto: Divulgação)The First Templar (Foto: Divulgação)

Cavaleiros mudos

Muitos dos deslizes mencionados até o momento são consequências da pouca experiência de uma produtora considerada pequena. Mas isso não é desculpa para desenvolver um jogo mudo. Sim, The First Templar não possui nenhum diálogo falado, ou seja, os personagens conversam por legendas. O único som presente no game é o barulho das espadas e escudos durante o combate.

Por mais que isso não seja um empecilho para muitos gamers, é estranho nos depararmos com um game na atual geração em que os personagens não emitem qualquer som, nem sequer um simples grito de guerra ou dor.

Conclusão

Apesar de ser desenvolvido com custos mais baixos do que outros grandes títulos do gênero, a sensação é de que The First Templar poderia ter rendido mais. Os gráficos simples, a jogabilidade fraca e a dificuldade pouco balanceada poderiam até ser relevantes em algum momento, mas desenvolver um jogo sem um diálogo falado é algo inaceitável. 

 

Nota TechTudo

NOTA tt
4.0
Gráficos
4
Jogabilidade
3
Diversão
5
Som
2

Prós

  • - Divertido para jogadores casuais.

Contras

  • - Jogo sem diálogos.
  • - Jogabilidade limitada.
  • - Gráficos simples.
  • - Muito linear.
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Roberto Souza
    2011-08-10T15:55:09

    Todos os diálogos e gritos têm som, considero essa uma informação leviana, principalmente de pessoas sérias. Sugestão: joguem em 3D - Excelente.

  • Roberto Souza
    2011-08-10T15:51:13

    Qual "The First Templar" voces testaram? No meu, todos os diálogos e gritos têm som. Considero essa uma informação leviana. Sugestão: joguem em 3D - Excelente.