Jogos de corrida
Publicidade

Por Luiza M. Martins, do Home Office

Reprodução/Luiza M. Martins

Gran Turismo 7 é um dos lançamentos mais aguardados do ano, em especial pelos fãs de corrida. O game exclusivo de PlayStation 4 (PS4) e PlayStation 5 (PS5) desenvolvido pela Polyphony Digital é o oitavo game da série e carrega a responsabilidade de representar o aniversário de 25 anos da franquia. Para celebrar, a desenvolvedora focou em trazer a maior e mais completa experiência já vista em um jogo da série. O título chega acelerando nos consoles da Sony nesta sexta-feira (4) com preços que variam entre R$ 299 e R$ 449,50 na PS Store.

Desde o primeiro anúncio, ficou claro que a grande aposta é trazer uma experiência automobilística profunda, tanto para os fãs declarados da área quanto para os pilotos de primeira viagem. E, para isso, o game traz detalhes minuciosos, mecânicas de simulador, efeitos sonoros realistas, variações climáticas complexas e até o aval de nomes como Lewis Hamilton. O TechTudo testou o game antecipadamente e traz a análise completa a seguir. Confira:

Gran Turismo 7 é o oitavo título da série e marca o aniversário de 25 anos da franquia — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

Gameplay

Gran Turismo 7, como os demais games da franquia, é um simulador de corrida que busca oferecer a experiência mais próxima possível da realidade. No entanto, o jogo foi pensado para que todos os jogadores, dos mais aos menos experientes, sejam capazes de aproveitá-lo. Na prática, cabe a cada um definir as próprias preferências para explorar o título da forma que achar melhor.

Ao entrar no game, o jogador vai se deparar com o menu, que funciona como um mapa para todas as atividades oferecidas. E há uma quantidade bem diversificada de tarefas. Nesse game, a campanha clássica está de volta, com o conhecido esquema de começar como um piloto novato que vai ganhando experiência e notoriedade.

Além dela, o jogador pode se divertir com os populares testes de licenças, corridas personalizadas, drifts, multiplayer on-line e local com tela dividida, oficinas para tuning e customização, além de novos recursos que abordam o panorama histórico do automobilismo.

Há, também, o Music Rally, um modo de jogo em que o jogador deve correr contra as batidas das músicas. É bem divertido e pode ser desafiador para aqueles que visam os melhores tempos. Outro destaque é o complexo modo foto do jogo, o Scapes, que permite viajar com os carros por por mais de 2.500 cenários do mundo com para gerar fotos únicas e altamente personalizáveis.

O menu do jogo funciona como um mapa para todas as atividades oferecidas — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

No lançamento, Gran Turismo 7 já chega com mais de 400 modelos de carros e 34 pistas que fornecem mais de 90 variações, entre climas e layouts. Os números ainda vão aumentar em futuras atualizações, segundo a Polyphony Digital. Nesse game, algumas pistas lendárias da franquia também retornam, como a Daytona International Speedway e a Trial Mountain, além de circuitos conhecidos como Le Mans e Nürburgring.

A física dos carros também é um fator muito positivo. Para esse ponto em específico, a Polyphony Digital coletou feedbacks de especialistas como Lewis Hamilton, além de outros pilotos do FIA Gran Turismo Championships e, também, de parceiros como a Michelin. E é fácil perceber, durante a gameplay, que a medida fez toda a diferença. O peso dos carros, o tipo de tração, o terreno, a resistência do vento e a pista molhada oferecem gameplays distintos. São experiências que variam, principalmente, com o modelo do carro e as condições climáticas.

Outro destaque é a utilização do feedback háptico dos controles Dualsense, que foram bem aproveitados na proposta de manter o realismo. Os gatilhos adaptáveis fazem com que o jogador sinta a diferença entre os terrenos, a troca de marchas, o peso do freio em alta velocidade e até mesmo a resistência dos pneus nas curvas. A resposta tátil também varia de acordo com o modelo de cada carro, podendo ser mais ou menos intensa.

O ray tracing eleva o patamar dos gráficos em Gran Turismo 7 — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

Gráficos e ambientação

Desde os primeiros trailers, Gran Turismo 7 vinha chamando atenção por conta dos gráficos, o que não é exatamente uma novidade em relação à franquia. Mas nesse game, a Polyphony Digital conseguiu atingir um novo patamar de fotorrealismo.

A utilização do Ray Tracing faz com que as superfícies dos carros reflitam os cenários em volta. Com o recurso ativo, fica praticamente impossível distinguir uma cena feita no modo foto, por exemplo, de uma na vida real. O resultado é impressionante, e consegue manter a excelência tanto em relação ao visual externo do carro quanto ao interno. No segundo, o destaque fica para as texturas, eficientes em reproduzir o material utilizado na construção dos veículos.

O novo jogo da série apresenta visuais incríveis tanto na parte externa quanto interna dos veículos — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

Os modelos são lindos e extremamente detalhados, o que mostra o comprometimento do estúdio com a proposta de oferecer uma experiência completa. E isso não fica restrito aos carros: a construção dos cenários também é bastante satisfatória. As cores vibrantes, a ambientação variada, as texturas das pistas e as variações climáticas favorecem a imersão no game, que leva a sério a ideia de ser um simulador. Não à toa, o jogo usa e abusa dos replays.

Outro fator de destaque do game é o áudio 3D, que traz ainda mais realismo às corridas e possibilita que o jogador localize os pilotos adversários apenas ouvindo seus motores. E por falar nisso, vale ressaltar: para cada carro, o som do motor é diferente. Assim como os aspectos visuais, o áudio do game também busca reproduzir rigorosamente o que se encontra na vida real. Para os amantes dos roncos dos motores, essa preocupação é um show à parte.

A cultura automobilística

A Polyphony Digital não se contentou em fazer apenas um game focado em simular a experiência atrás do volante. Gran Turismo 7 é, sobretudo, uma ode à cultura automobilística e o jogo deixa isso claro, literalmente, desde a tela de apresentação. São toneladas de conteúdo histórico permeando a gameplay de forma orgânica, o que funciona como um carinho no coração dos mais apaixonados e contribui para a curiosidade de quem tem menos afeição com o tema.

Nos Cafés, os jogadores têm acessos a informações histórias sobre as coleções de carros que conquistam — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

Nos Cafés, essenciais para os jogadores que desejam avançar na campanha, são distribuídos cardápios que funcionam como missões para progredir. Um exemplo comum dessas atividades é pedir para o jogador coletar 3 carros de uma determinada coleção. Depois que isso é feito e os veículos são entregues, o jogo conta a história da coleção.

Nos museus das fabricantes, é possível acompanhar linhas do tempo que detalham os principais acontecimentos relativos às marcas, desde os primórdios da criação até os eventos mais atuais. São textos e vídeos ricos em detalhes e que podem tomar horas dos mais entusiasmados. Há, também, um catálogo exclusivo para os carros, onde o jogador tem acesso a informações sobre a criação, o desenvolvimento e a história de cada um dos mais de 400 veículos do game.

Nos museus, os eventos marcantes das fabricantes aparecem em forma de linha do tempo — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

Tuning e customização

O tuning e a customização de veículos não apenas estão presentes em Gran Turismo 7, como são muito importantes para que as mecânicas do game se concretizem. Para cada modelo de carro, há uma variedade de peças que podem ser equipadas, tanto para melhorar a performance quanto para cumprir um objetivo.

O processo é muito importante, já que, para participar das corridas, é preciso ter carros que cumpram as exigências estabelecidas. Em alguns casos, elas podem ser uma troca de pneus, por exemplo. Em outros, as suspensões esportivas, e assim por diante.

As peças podem ser compradas, equipadas e, se for o caso, desinstaladas na garagem do jogo. Essa mecânica cria diversas possibilidades de performance para cada modelo de carro, que podem ser montados especificamente para cumprir os desafios. Como há drifts, corridas em pistas retas, com muitas curvas e até off-roads, as possibilidades de adaptação são muito bem-vindas.

Nas oficinas, os jogadores compram peças para customizar seus carros — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

E as modificações não ficam restritas à performance: Gran Turismo 7 também oferece um complexo sistema de customizações estéticas para os veículos. No GT Auto, de volta à franquia com um modo amplo de edição, o jogador pode realizar as customizações, que vão desde a troca de peças até alterações na cor e uso de adesivos. Além disso, o jogador também pode comprar serviços como a lavagem e a troca de óleo.

Desempenho

Ao início do jogo, dois modos de desempenho são oferecidos ao jogador: resolução 4K a 30 fps com Ray Tracing ativo ou resolução 1920 x 1080 a 60 fps e com Ray Tracing apenas nos replays. O TechTudo testou o game em um PS5 nas duas opções e, em ambos os casos, a performance do jogo foi lisa. A taxa de quadros se manteve estável e pouquíssimas foram as vezes em que notamos delays na renderização das texturas.

Os menus, no entanto, deixaram a desejar. Eles podem ser um pouco confusos e não muito intuitivos, principalmente para os iniciantes. Além disso, em nossos testes, eles demoram a carregar, o que soa estranho em tempo de loadings cada vez mais rápidos. E a demora ainda evidenciou outro ponto de incômodo: o fato de que, para ir de um lugar para o outro, o jogador deve ficar sempre voltando ao mapa principal.

Os textos e as legendas do game estão completamente traduzidas para o português, em um excelente trabalho de tradução e localização. Vale lembrar que não há dublagem nesse game, já que os personagens não têm voz.

Gran Turismo 7 oferece um modo foto complexo e altamente personalizável — Foto: Reprodução/Luiza M. Martins

Conclusão

Gran Turismo 7 foi apresentado com duas ambiciosas propostas: ser o game mais completo da série e levar a cultura do automobilismo não apenas para os amantes consolidados, mas também para as novas gerações. E não há a menor dúvida de que, em ambos os casos, a Polyphony Digital conseguiu cumprir os objetivos com maestria.

Mesmo com a enorme responsabilidade de ser o primeiro game da franquia a chegar à nova geração de consoles, GT7 é exatamente o que se espera dele: denso, exuberante, divertido, estratégico e, acima de tudo, um jogo que preza pela a experiência. No PS5 e com o feedback háptico ativado, a ideia da simulação fica ainda mais intensa e encantadora.

O oitavo jogo da série é feito com muito carinho e minúcia, que conquistam e impressionam desde os primeiros minutos. Para os amantes de carros e automobilismo, o título com certeza chega atropelando os corações. Os menos entusiastas também devem ficar bastante satisfeitos com tantas possibilidades, mesmo que possam levar um tempo para se adaptar ao ritmo do jogo. Em suma, se tivéssemos que resumir Gran Turismo 7 em uma palavra, seria amor. Amor aos carros, à história, à cultura e, claro, aos fãs.

9.5

O retorno triunfal

Como título que marca os 25 anos da franquia, Gran Turismo 7 não decepciona. Focado em oferecer uma experiência realista, o jogo impressiona com os gráficos e o altíssimo nível de detalhes. Divertido, complexo e encantador, GT7 certamente já figura o pódio de um dos melhores jogos da série e será um prato cheio para os apaixonados por velocidade.
Gráficos
10
Gameplay
10
Diversão
9
Desempenho
9
Mais do TechTudo