Jogos de aventura

NOTA tt
8.0

Review Gravity Rush 2

Confira a análise do primeiro grande exclusivo de PlayStation 4 para 2017

Victor Alcaíde Teixeira
por
em

Gravity Rush 2 é o novo jogo da franquia de aventura originada no PS Vita. Disponível apenas para PS4, o título mescla ação e RPG, trazendo um mundo aberto duas vezes maior do que seu antecessor e mecânicas aprimoradas baseadas na gravidade. Confira as impressões do primeiro grande exclusivo da Sony para 2017:

Saiba todas as novidades de Gravity Rush Remastered, exclusivo de PS4

Livre para voar

O segundo episódio da série é uma sequência direta do primeiro game, mas isso não significa que é preciso estar familiarizado com o título original para entender a história. Há, sim, muitas referências ao game anterior, principalmente no início, porém o ritmo lento no começo é justamente para contextualizar o jogador que nunca teve contato com Gravity Rush.

Gravity Rush 2: confira o review (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)Gravity Rush 2: confira o review (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)

Os personagens são apresentados aos poucos, e os acontecimentos da trama original são lembrados logo nos diálogos iniciais. Kat, a carismática protagonista, retorna sozinha, sem seu mascote de estimação – o gato Dusty, que concede as habilidades gravitacionais – e seus poderes.

A jovem, frustrada por não ter mais seus talentos de combate e agilidade, trabalha ao lado de seu amigo Syd em uma mineradora comandada por Lisa, no pequeno vilarejo de Banga. A partir daí, ela precisa recuperar seus poderes para partir em busca de seus fiéis parceiros.

Gravity Rush 2: densidade narrativa na medida certa (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)Gravity Rush 2: densidade narrativa na medida certa (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)

O game faz um ótimo trabalho ao apresentar diálogos breves e explicativos em uma estrutura de história em quadrinhos. O enredo é leve, apesar de ser mais sombrio, e flui em um ritmo bastante agradável de se acompanhar.

O problema, na verdade, é o excesso de tutoriais, que quebra a ação a todo momento e faz com que a heroína tenha que repetir exaustivamente os mesmos movimentos. De um jeito ou de outro, o game força o jogador a aprender e dominar todos os comandos, mesmo depois de insistir em instruções já apresentadas.

Após o começo recheado de trechos explicativos, a jornada ganha vida e deixa Kat livre para explorar o grandioso mundo aberto. As áreas alocadas no céu não são interligadas, portanto é preciso usar os poderes de gravidade para alcançar pontos distantes do mapa.

Gravity Rush 2: mundo aberto surpreende pelo nível de detalhes (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)Gravity Rush 2: mundo aberto surpreende pelo nível de detalhes (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)

A protagonista revisita Hekseville, a cidade do primeiro jogo, e explora novas áreas com diversas atividades paralelas e desafios. Apesar do vasto número de missões extras a cumprir, não há tanta variedade de objetivos – inclusive, um defeito herdado do primeiro jogo.

As missões se resumem a exterminar hordas de inimigos dentro de um limite de tempo, por exemplo, e vencer obstáculos que exigem manobras minuciosas. Depois de terminar a campanha, é possível continuar jogando para quebrar recordes e completar o conteúdo extra.

Modo online

O jogo também oferece um divertido modo online, que funciona como uma espécie de caça ao tesouro. A premissa é simples: encontre um baú de tesouro, tire uma foto do local e envie para outros usuários. Se alguém conseguir localizar o tesouro usando a sua pista – no caso, a foto –, você receberá prêmios e itens valiosos. Para garantir um fator replay ainda maior ao recurso multijogador, os baús são gerados de forma randômica.

Gravity Rush 2: Kat tem novos movimentos à disposição (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)Gravity Rush 2: Kat tem novos movimentos à disposição (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)

Ambientação

Como de praxe, a verticalidade dos cenários é bem explorada, com construções projetadas para extrair as melhores acrobacias de Kat. A exploração do mundo fica ainda mais gratificante ao adquirir as novas habilidades disponíveis, que incluem saltos estilosos e esquivas perfeitas para batalhas no ar.

Um jogo atípico

Gravity Rush 2 é, de fato, um jogo de nicho, ou seja, destinado a um público específico. Não somente pela temática atípica e personagens bizarros, mas também pela complexa mecânica gravitacional de movimentação e combate. É difícil dominar plenamente os atributos de Kat, ainda mais com os problemas de câmera que insistem em prejudicar a locomoção aérea.

A velocidade dos movimentos baseados na gravidade causa uma sensação de vertigem – em função da dinâmica, pois o jogo está muito bem otimizado ao PS4 e PS4 Pro – depois de algumas horas, pausas são realmente necessárias entre os episódios. Nesse caso, é um alívio saber que o game não terá suporte ao PlayStation VR.

Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone

Gravity Rush 2: excesso de tutoriais atrapalha o ritmo de jogo (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)Gravity Rush 2: excesso de tutoriais atrapalha o ritmo de jogo (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)

O sistema de combate, por sua vez, foi consideravelmente aprimorado em relação ao jogo anterior. Agora, a protagonista tem à disposição novas habilidades e movimentos de ataque, o que garante uma variedade maior, especialmente ao confrontar inimigos no ar.

Ficou mais fácil, por exemplo, arremessar objetos e desferir golpes aéreos por conta da precisão melhorada da trava de mira. No entanto, os duelos terrestres continuam simples demais, ou seja, não há incentivo para lutar no chão, visto que as combinações de combos são limitadas.

Visualmente falando, Gravity Rush 2 é um verdadeiro colírio para os olhos. As texturas lavadas da versão adaptada do primeiro game, lançada para o console doméstico da Sony no início de 2016, foram substituídas por cenários detalhados e cheios de vida.


Mesmo com a estética cartunesca, não há como negar que Gravity Rush deu um salto de geração. O padrão gráfico cel-shading, atualizado para o novo console, faz com que os cenários apresentem cores mais vivas. A evolução se confirma pela fluidez dos combates, pelo capricho visual e pela direção de arte impecável.

Conclusão

Em comparação ao seu antecessor, Gravity Rush 2 se mostra superior em todos os aspectos, principalmente nos quesitos combate e exploração, mas não corrige os problemas que comprometeram a primeira jornada. O progresso da franquia, entretanto, é nítido, agora que há um mundo maior, mais bonito e densidade narrativa na medida certa.

O que você acha do Xbox One? É melhor que o PS4? Dê sua opinião no Fórum do TechTudo!

Nota TechTudo

NOTA tt
8.0
Gráficos
9
Jogabilidade
7
Diversão
8
Som
8

Prós

  • - História em ritmo agradável
  • - Novas habilidades gravitacionais
  • - Mecânicas aprimoradas de combate
  • - Mundo aberto caprichado
  • - Recursos online

Contras

  • - Excesso de tutoriais
  • - Desafios repetitivos
  • - Problemas sérios de câmera
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares