Jogos de arcade

NOTA tt
6.8

Review Hohokum

Hohokum é um divertido jogo sobre realizar uma jornada relaxante através de mundos psicodélicos, porém existe um algo mais escondido por baixo disso tudo. Descubra exatamente do que se trata o jogo e se ele irá agradá-lo.

Rafael Monteiro
por
em

Hohokum é uma estranha experiência para PlayStation 4, PlayStation 3 e PS Vita que coloca os jogadores em uma jornada com uma criatura que é basicamente uma linha e um olho, visitando os mais variados mundos. Inicialmente o jogo não explica bem como ele é, então evite ler adiante se preferir ter a surpresa de descobrir sozinho.

PS4: Journey, Unfinished Swan e Hohokum são confirmados no console

Colorido e psicodélico, Hohokum traz relação de amor e ódio ao jogador (Foto: joystiq.com)Colorido e psicodélico, Hohokum traz relação de amor e ódio ao jogador (Foto: joystiq.com)


Afinal, o que é Hohokum?

A história de Hohokum, se é que pode-se dizer que há alguma, é contada de maneira abstrata através de alguns quadrinhos que surgem em certos momentos do jogo. No início há a sua criatura, uma espécie de linha com um olho na ponta, e outras criaturas semelhantes a ele. De alguma forma elas vão parar em outros mundos e você terá que resgatá-las.

O único modo de jogo é essa campanha, uma jornada solitária através de vários mundos. No início, não é explicado nada do que está acontecendo e pode levar algum tempo até que você libere a primeira criatura e comece a entender que não se trata apenas de uma experiência relaxante, mas de um jogo com um objetivo oculto.

Essa é provavelmente a principal qualidade de Hohokum e também sua maior fraqueza. Viajar por mundos e interagir com eles é prazeroso, gerando um senso de descoberta muito divertido. Nada parece ser certo ou errado no início, porém ao notar que os mundos são na verdade quebra-cabeças a se resolver, pode ser muito frustrante não ter qualquer pista sobre o que fazer neles.

Em um mundo repleto de vasos não é difícil entender o que fazer, mas nem sempre o jogo é tão óbvio (Foto: Divulgação)Em um mundo repleto de vasos não é difícil entender o que fazer, mas nem sempre o jogo é tão óbvio (Foto: Divulgação)


Voando livremente

A jogabilidade é bastante simples. Você voa livremente pelo mapa e tem um botão para acelerar e outro para ir mais devagar. Há ainda uma outra opção de locomoção, ainda mais rápida, porém menos precisa nos botões de ombro. É curioso que haja uma opção de velocidade maior apenas para que ela funcione mal e você fique preso na velocidade média.

Cada mundo é como se fosse um quebra-cabeça a ser resolvido e o grande problema é que não há qualquer pista de como resolvê-lo. Alguns mundos são pequenos e é fácil identificar os elementos interativos que levarão a sua solução, outros são grandes e extremamente vivos, exigindo horas para descobrir.

Muitos desses mundos acabam sendo cansativos pela falta de pistas. É preciso seguir exatamente os passos que o criador do jogo imaginou e nem sempre eles são lógicos. Em alguns casos há tanta coisa acontecendo na tela, que fica difícil saber quando você fez algo certo.

Prever reações de criaturas e descobrir o que fazer pode ser bem difícil em Hohokum (Foto: Divulgação)Prever reações de criaturas e descobrir o que fazer pode ser bem difícil em Hohokum (Foto: Divulgação)

Essa conversa complicada e abstrata entre o jogador e o criador da obra aumenta a aura de mistério de Hohokum, mas acaba por também cansar a paciência do usuário que vê seus esforços não surtirem efeito apenas porque não é a resposta “certa”.

Mundos belos e vivos

Boa parte dos problemas do jogo é amenizada pelos seus gráficos e o setor sonoro. O visual de Hohokum lembra bastante LocoRoco para o PSP, com belos gráficos 2D coloridos em alta definição e personagens carismáticos e vivos em seus menores detalhes. Alguns mundos são menos inspirados, porém quanto mais vivos, mais o jogo se destaca.

Apesar de tudo ser muito belo, parece haver um problema técnico sobre a troca de mundos, pois elas demoram demais. É difícil imaginar que as poderosas máquinas que temos rodando o jogo hoje em dia precisem demorar tanto para carregar alguns gráficos simples.

O carisma dos gráficos de Hohokum fazem muitas das frustrações valerem a pena (Foto: Divulgação)O carisma dos gráficos de Hohokum fazem muitas das frustrações valerem a pena (Foto: Divulgação)

As músicas combinam perfeitamente com a situação de cada mundo, variando desde uma melodia calma e relaxante para os mais misteriosos até batidas agitadas para locais onde está ocorrendo algum tipo de festa. Praticamente todo objeto emite um efeito sonoro curioso e permite criação espontânea de músicas ao interagir com várias coisas em sequência.

Infelizmente o jogo só atinge sua excelência sonora com o uso de fones de ouvido e ao contar apenas com as saídas de som nativas os sons parecem um pouco abafados, prejudicando um pouco a experiência.

Conclusão

Hohokum é um jogo de amor e ódio misturados, fazendo você experienciar tanto o prazer da descoberta quanto a frustração de uma comunicação ruim quase ao mesmo tempo. O que é uma pena, pois fica evidente que o jogo poderia ser ainda mais divertido se desse pistas de como seus quebra-cabeças deveriam ser resolvidos. Em sua forma atual, como uma conversa conturbada entre criador e jogador, é difícil recomendá-lo sem ressalvas.


Qual jogo de PS Vita vale a pena investir?
Comente no Fórum do TechTudo.


Nota TechTudo

NOTA tt
6.8
Gráficos
8
Jogabilidade
6
Diversão
6
Som
7

Prós

  • - Belas artes e sons
  • - Variedade de mundos

Contras

  • - Design confuso
  • - Muito abstrato no início
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares