Jogos de aventura

NOTA tt
10

Review Journey

Gráficos 10 / Jogabilidade 10 / Diversão 10 / Som 10 / FINAL: 10 Prós: Visuais belos Jogabilidade simples Jornada variada Multiplayer minimalista e funcional Contras: Nã há um bom enredo Nome: Journey Gênero: Plataforma Distribuidora: Sony Computer Entertainment Plataformas: PS3 Sem os motores gráficos, outputs HD e processadores de quatro núcleos de hoje em [...]

TechTudo
por
em

Nome: Journey
Gênero: Plataforma
Distribuidora: Sony Computer Entertainment
Plataformas: PS3

Journey (Foto: Divulgação)Journey (Foto: Divulgação)

Sem os motores gráficos, outputs HD e processadores de quatro núcleos de hoje em dia, os velhos jogos da era do NES e do Mega Drive dependiam muito menos de qualidades cinematográficas de jogos contemporâneos: eles tinham a ingrata necessidade de vender o que basicamente era “o jogo”- pouca história ou beleza visual exigia um conjunto de regras e objetivos que pudessem sozinhos alimentar a curiosidade do jogador.

O próprio movimento do avatar na tela era uma das maneiras de cativar o gamer das antigas, e foi o que tornou o primeiro Strider, Super Mario Bros. 3 e Sonic the Hedgehog jogos inesquecíveis (que esses três games tenham levado o nome de seus respectivos protagonistas é de fato uma coincidência feliz, não é?). Journey, o mais novo título da thatgamecompany, parece se inspirar nesta simplicidade pré-Solid Snake que fez a fama de Mario, Sonic e outros, e apresenta algo bem diferente e, arriscamos dizer, imperdível.

journeyana1Journey (Foto: Divulgação)

Sim. Journey é o game mais convencional da empresa – a mesma que criou os conceituais flOw e Flower – mas faz pouco esforço em trazer algo mais complicado do que um jogo sobre pular e andar. No game você controla um misterioso andarilho, que tem como missão cruzar um deserto e chegar ao topo de uma montanha mística. O jogo inclui poucas adições no repertório do personagem – é possível pular mais alto e mais longe conforme você aumenta o comprimento do cachecol do protagonista e “chamados” são usados para ativar itens e mecanismos do cenário. O que torna Journey interessante não é o que ele adiciona, mas como ele varia sem complicar as coisas.

A primeira parte do jogo lembra bastante Flower: é preciso cruzar um dócil e amplo deserto ativando passagens na ordem que bem desejar e resgatando pedaços de pano e sinais brilhantes (que servem para melhorar seus saltos). Mas não demora até que você precise cruzar dunas gigantescas deslizando em alta velocidade ou se veja decidindo com cautela seu caminho enquanto abismos e criaturas mecânicas limitam se movimento. A penúltima fase é praticamente um survival horror em que a liberdade inicial encontra desafio em um ambiente hostil, e o jogo termina com a mais energética e bela última fase que já tivemos o prazer de aproveitar desde Bangai-O: Spirits! Tudo, vale dizer, sem tutoriais nem indicadores obrigando o jogador a seguir uma rota pré-determinada. Simplicidade é de fato uma qualidade em Journey.

journeyana2Journey (Foto: Divulgação)

Mas em inserir um avatar móvel, vivo e – mais importante – humanóide em seu precioso jardim chinês, Journey se vê às voltas com um problema bem curioso: contexto. E não é apenas questão da história – que tenta sem sucesso encapsular a saga de uma civilização morta na jornada repetitiva de seu herói.

O problema é que quase não há herói. Aí vai um exemplo: apesar de amplo, o deserto do game é bem delimitado. Ao invés de inserir uma animação do andarilho voltando seu movimento obstinadamente em direção ao seu objetivo (uma solução adotada por muitos jogos), as paredes invisíveis do jogo são convenientes tempestades de areia que empurram o personagem e evitam o progresso. O “herói” se limita a sua jornada não pela sua própria vontade, mas pela do jogo. Funcionava quando você controlava o vento em Flower ou uma impessoal bactéria em flOw, não aqui. Pode parecer um problema mínimo, mas em Journey, a falta de resposta emocional do avatar bota em risco a capacidade de se importar com o belo deserto do título.

journeyana3Journey (Foto: Divulgação)

Confie em estranhos

O modo multiplayer, porém, faz um belíssimo trabalho em contornar essa deficiência. Tomando emprestada a abordagem minimalista de Dark Souls, Journey não tem lobbies, voice chat ou lista de amigos. Quando você joga conectado na PSN, jogadores são assimilados automaticamente a seu jogo, e não passam de uma presença discreta que você pode acompanhar ou não. Quando um outro andarilho cruza seu campo de visão (o jogo sabiamente limita um “invasor” por vez) a trama deixa de ser a jornada e passa a ser como você vai lidar com seu companheiro de viagem, uma preocupação que o jogo trata com requintes de mãe – de tal maneira que há um troféu esperando aqueles que passarem 20 segundos juntos sentados imóveis na areia. Até os créditos finais dão espaço especial para o nome dos jogadores que fizeram parte de sua jornada.

Apesar da falta de um sistema de mensagens, andarilhos podem interagir uns com os outros através de “chamados” que, no multiplayer, atendem ao duplo propósito de aviso improvisado e maneira de recarregar o poder do cachecol mágico que permite aos personagens saltarem. Acredite, na penúltima fase, quando o frio lentamente deteriora seu poder de pular e é preciso se espremer contra rochedos para evitar tempestades de neve, a impressão que tivemos com nosso colega enquanto trocávamos “chamados” foi o de ter uma conversa – e uma das mais construtivas que já tivemos em qualquer jogo online, vale dizer. De qualquer maneira, o multiplayer dá uma necessária injeção de contexto para um jogo cuja narrativa parece um produto acidental.

journeyana4Journey (Foto: Divulgação)

Conclusão

Nesta época em que todo o protagonista de videogame precisa ter a rasteira de Vanquish e a coluna vertebral maleável o bastante para se esconder por trás de mesas de centro, Journey é um interessante e bem sucedido experimento em trazer a simplicidade das antigas em um formato completamente novo. Ele tem sérios problemas em criar uma história e um personagem realmente cativante, mas a thatgamecompany – um estúdio focado em desenvolver jogos como experiência – conseguiu atingir uma espécie de ápice com Journey. Se o objetivo da casa de flOw e Flower sempre foi o de dar ao jogador emoções genuínas acima de tudo, então Journey, seus visuais belíssimos, seu ritmo e variedade brilhantes e até mesmo suas deficiências, são merecedores de nossa nota máxima.

Nota TechTudo

NOTA tt
10
Gráficos
10
Jogabilidade
10
Diversão
10
Som
10

Prós

  • - Belo visual
  • - Jogabilidade simples
  • - Jornada variada
  • - Multiplayer minimalista e funcional

Contras

  • - Não há um bom enredo
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Fillip Candido
    2012-03-27T12:25:30

    O jogo realmente é bonito demais. Nunca vi uma obra de arte tao bonita. A maior tristeza que tive foi quando o jogo acabou. Nunca fiquei tao puto! Gostaria que ele durasse mais. Mas infelizmente o jogo é inacreditavelmente curto. Tendo 2 horas de duração pelo maior caminho. Escolhi um camiho que eu zerei o jogo em meia hora. Ou seja Zerei o jogo duas vezes em menos de 3 horas.