Jogos de ação

NOTA tt
7.0

Review Killer is Dead

Veja o que agradou e o que decepcionou no novo jogo de Suda 51.

Felipe Vinha
por
em

Killer is Dead é o novo jogo do popular diretor Suda 51, famoso por games como One More Heroes e Loolipop Chainsaw. O título se encaixa no gênero hack and slash e seus grandes atrativos ficam por conta das habilidade do protagonista Zappa e das diversas missões paralelas. Confira nossa análise completa do jogo, lançado para PlayStation 3 e Xbox 360.

Kiler is Dead (Foto: Divulgação)Kiler is Dead (Foto: Divulgação)

Missões paralelas complementam a campanha curta

Na nova aventura, você assume o controle do assassino Mondo Zappa, que deve usar suas habilidade para conter os piores mafiosos ao redor do planeta. Contando com habilidade sobrenaturais, que incluem o uso do seu “braço mecânico”, você deve encarar as loucuras de um enredo que pouco faz sentido. Entretanto, a fuga dos padrões já era esperanda. Afinal, trata-se de Suda 51.

Além da campanha principal, que mostra o desenrolar das aventuras de Zappa, o game conta com uma série de missões paralelas. Aliás, a inclusão dessas side quests é algo inovador para Suda, conhecido por criar jogos mais limitados, como Lollipop Chainsaw e Shadow of The Damned – que contavam com pouquíssimas atividades além da aventura linear.

Elas são desbloqueadas durante a própria campanha e variam desde modos básicos, como eliminar ondas de inimigos, a algumas tarefas bem curiosas, como eliminar o “excesso de peso” de um elevador derrotando seus inimigos. As missões paralelas não afetam diretamente a campanha e funcionam apenas como uma espécie de complemento da vida útil do game.

Killer is Dead (Foto: Divulgação) (Foto: Killer is Dead (Foto: Divulgação))Killer is Dead (Foto: Divulgação) (Foto: Killer is Dead (Foto: Divulgação))

Combos e movimentos para todos os gostos

O game não nega suas origens hack and slash, outra característica dos jogos de Suda 51. Isso faz com que os controles se limitem a bater, atirar e se esquivar dos inimigos pelo caminho. O que acaba criando uma certa linearidade em toda a campanha, já que não há puzzles a serem desvendados ou caminhos complexos a serem explorados.

O ponto positivo desta escolha de design são justamente as mecânicas de combate. Um leque de combos e combinações de golpes está à disposição dos jogadores em Killer is Dead. O sistema de evolução permite que você escolha entre novos golpes e movimentos, ou evoluir sua energia, barra de combate entre outros atributos. Cabe a você optar pela melhor – ou mais divertida – forma de detonar todos pela frente.

Já o sistema de tiro não acrescenta muita à experiência, apesar de ser fundamental em ocasiões em que seus inimigos estão bem distantes, ou contra determinados chefes. Sendo assim, a melhor opção ainda é o combate direto, seja com os combos simples ou utilizando os golpes especiais. Estes por sua vez são essenciais contra criaturas mais resistentes, portanto, é preciso saber quando usá-los ao invés de simplesmente desperdiçá-los contra oponentes mais simples.

Killer is Dead esbanja o estilo excêntrico do diretor Goichi Suda (Foto: edge-online.com) (Foto: Killer is Dead esbanja o estilo excêntrico do diretor Goichi Suda (Foto: edge-online.com))Killer is Dead esbanja o estilo excêntrico do diretor Goichi Suda (Foto: Divulgação)

Muitas animações e pouco gameplay

O visual cel-shading combina com o clima de Killer is Dead. O jogo foge do clichê de gráficos de ponta e traz um visual mais cartunesco, que proporciona a sensação de se estar interagindo com um autentico mangá japonês, seja durante as longas animações ou no próprio gameplay.

A variedade de personagens é algo que agrada muito. Principalmente no que diz respeito aos chefões do jogo. Entre gigantes, bizarros e até belas donzelas, o game traz aquele clima que imperava nos consoles de 8 e 16 bits: fases que sempre terminavam em um grande desafio.

Já em relação à campanha a sensação é de certa frustração. Por mais que o jogo tenha diversas missões paralelas como citado no começo do texto, o game leva cerca de 5 a 6 horas para ser concluído.

killer-is-dead-mulheres (Foto: killer-is-dead-mulheres)Killer is Dead (Foto: Divulgação)

Conclusão

Killer is Dead é mais um hack and slash feito para os fãs do gênero. Sem muitos elementos atrativos, o jogo é apenas mais um entre tantos outros título com o mesmo formato. O visual cartunesco e a variedade de combos poderiam torná-lo até mais atrativo, mas a campanha curta e linearidade pesam na avaliação geral.


Comente no fórum TechTudo: Qual o melhor console na sua opinião: PS3 ou Xbox 360?

Nota TechTudo

NOTA tt
7.0
Gráficos
7
Jogabilidade
7
Diversão
5
Som
7

Prós

  • - Variado sistema de combos
  • - Visual atrativo
  • - Diversidade de missões paralelas

Contras

  • - Linear demais
  • - Enredo surreal
  • - Muita história e pouco gameplay
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares