Por Felipe Vinha; Por TechTudo

TechTudo

Killzone Shadow Fall chega como um dos grandes atrativos da nova geração de consoles. O FPS exclusivo para PlayStation 4 dá uma prévia do que o novo videogame da Sony oferece e ainda tem a muito a oferecer ao longo de sua jornada. Confira:

Killzone Shadow Fall (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Após três décadas do início da invasão Helghast, a raça humana ainda sofre com as consequências. No controle de Lucas, você precisa liderar e executar o movimento de libertação da cidade de Vekta. Sendo assim, é preciso unir forçar com outros rebeldes, para dominar e vencer esta guerra que parece não ter fim.

Com cara de enredo clichê, a história de Killzone Shadow Fall é apenas um pretexto para incitar a guerra contra os Helghast. Em uma campanha considerada longa, cerca de 11 horas de duração, você terá pela frente poucos diálogos de suma importância, graças a um roteiro que parece se perder ao longo de sua jornada. Entretanto, vale reforçar que o enredo nunca foi o forte da série. 

Se o modo Campanha não for interessante o suficiente, você pode se aventurar nas batalhas online do modo multiplayer, que basicamente contam com populares modos do gênero como: mata-mata, mata-mata em equipes, capture a bandeira, e outros.

Killzone Shadow Fall (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

O mais interessante é o sistema de evolução da sua classe. Você pode optar entre Batedor, Assalto e Engenheiro. Cada uma possui determinadas características e habilidades, o que acabam moldando a personalidade dos jogadores. Batedores são como snipers; Assalto é para aqueles que gostam de encarar a linha de frente nas batalhas; e Engenheiro é a classe mais estratégica, voltada para a defesa do grupo ou de uma determinada área.

Para não cair na mesmice que assola boa parte dos FPS, Killzone Shadow Fall traz um interessante sistema de habilidade que parte de uma espécie de robô companheiro. Graças a ele, é possível, por exemplo, movimentar-se de uma plataforma para a outra através de cabos, ou criar um escudo temporário que permite um confronto direto com seus inimigos. Ele também é fundamental para seus objetivos, já que a pequena máquina também pode esgueirar-se em dutos de ventilação ou hackear dados.

Tudo isso faz com que o jogo adquira uma certa facilidade. Ainda mais quando seus adversário são tão inteligentes como deveriam ser. Ou seja, prepare-se para encontrar inimigos andando de um lado para outro, ou simplesmente indo ao seu encontro sem qualquer medo ou receio de ser alvejado.

Killzone: Shadow Fall é o primeiro game de tiro da nova geração (Foto: Divulgação) (Foto: Killzone: Shadow Fall é o primeiro game de tiro da nova geração (Foto: Divulgação)) — Foto: TechTudo

A movimentação do personagem também deixa um pouco a desejar. A começar pelo fato do game não rodar a 60 quadros por segundo – algo que títulos como Battlefield 4 e Call of Duty: Ghosts conseguem com facilidade. Além disso, o personagem conta com pequenas falhas, como as pernas inquietas e uma certa demora até que a resposta do comando faça com que ele corra. Em partidas online, isso é um verdadeiro agravante.

Porém, vale ressaltar que o jogo surpreende no que diz respeito a linearidade. Embora Killzone Shadow Fall não traga um mapa aberto como Dishonored ou Borderlands 2, ainda assim seus cenários possuem um tamanho agradável, que proporciona uma exploração para encontrar itens secretos, ou, principalmente, seus objetivos principais. Dessa forma, não fique assustado caso fique perdido ou sem objetivos nos primeiros capítulos do jogo.

Durante o período de divulgação do PlayStation 4, Killzone Shadow Fall foi um dos grandes carros-chefe. O FPS ganhou diversos vídeos que mostravam a beleza de seus cenários e personagens. Agora, com o jogo em mãos, podemos dizer que o marketing da Sony foi sincero, e o game cumpre exatamente o que foi apresentado, seja nas animações ou, principalmente, com o game rolando.

O primeiro choque visual fica por conta do cenário. Propositalmente, as primeiras fases do game mostram ambientes repletos de detalhes, como cidades futuristas ou florestas repletas de instalações militares. Difícil não se encantar com a ambientação do game, ou parar e analisar o comecinho desta geração e o que ela ainda tem a oferecer.

Killzone: Shadow Fall (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Os personagens também foram muito bem retratados. Dos protagonistas aos meros coadjuvantes, todos possuem feições muito bem definidas e repletas de expressões faciais bem convincentes. Além disso, Killzone Shadow Fall reforça uma tendência imposta ainda na era PS3 e que deve perpetuar nesta nova geração: cada vez mais as CGs estão sendo deixadas de lado. No lugar delas, cada vez mais cenas de gameplay são utilizadas para contar a história dos jogos.

Killzone Shadow Fall inicia a era PlayStation 4 esbanjando qualidade no visual do game. Com cenários de cair o queixo e personagens muito bem definidos, a Sony conseguiu criar um game que exemplifica perfeitamente o que a nova geração proporciona e ainda pode proporcionar. Entretanto, alguns problemas na jogabilidade continuam presentes na franquia, seja por conta de alguns bugs, ou na limitação de determinados movimentos.

Qual console tem os melhores jogos exclusivos? Opine no Fórum do TechTudo.

8

Gráficos
10
Jogabilidade
8
Diversão
7
Som
7

Prós

  • - Gráficos de nova geração
  • - Campanha extensa
  • - Pouca linearidade

Contras

  • - Jogabilidade facilita demais
  • - O enredo é muito superficial

Mais do TechTudo