E-reader

NOTA tt
9.0

Review Kindle 4

Agora vendido no Brasil, todos os leitores poderão desfrutar de um e-reader de alta qualidade, comprar títulos em diversas línguas, ler por mais de um mês com uma única carga e desfrutar de uma tela fantástica e uma leveza incrível.

Stella Dauer
por
em

O Kindle, e-reader mais famoso do mundo, chegou oficialmente ao Brasil em dezembro de 2012. Junto com outros modelos e marcas também conhecidas no exterior, a Amazon deu, com o aparelho, a largada na popularização dos e-books no país. As editoras brasileiras, inclusive, já começaram a se adiantar para disponibilizar acervos digitais de qualidade. E neste novo rumo do mercado editorial, o Kindle leva vantagem por sua experiência de mercado, além de ser um gadget leve e muito recomendado para leituras. Confira o review:

Kindle 4: menu e interface bastante textuais (Foto: Stella Dauer)Kindle 4: menu e interface bastante textuais (Foto: TechTudo/Stella Dauer)

Design e tela

O Kindle trouxe a versão mais simples de sua linha atual de e-readers ao Brasil. O formato do dispositivo se assemelha a uma placa preta (ou grafite), com uma tela na frente e alguns botões embaixo. O design é totalmente clean, e só poderia ser mais se não existissem os tais botões.

Com apenas 170 gramas, o e-reader é leve e ótimo para ser segurado com apenas uma das mãos, ainda mais com a sua espessura, equivalente a de um lápis. A traseira emborrachada ajuda na pegada, e traz também informações do produto e uma conexão que parece ser para um dock (que ainda não existe).

A parte inferior traz a conexão micro USB, botão de energia e um LED de aviso sobre a bateria. As laterais têm, cada uma, dois botões para passar e voltar as páginas. Como ficam nas arestas do e-reader, são macias e fáceis de apertar.

Botão de energia e conexão micro USB no Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Botão de energia e conexão micro USB no Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

Na frente do aparelho há a ótima tela de e-ink com 6 polegadas com a tecnologia Pearl, que dá ao display um ótimo contraste. Além disso, a tela tem 16 escalas de cinza e 600 x 800 pixels de definição. As letras têm ótima acuidade, e são escuras e muito visíveis em um fundo super claro.

Em comparação a modelos de dois anos atrás, de marcas variadas, a leitura melhorou muito. A diferença é gritante, e agora sim podemos dizer que essa é realmente uma tela para ler textos. Como o e-reader não tem iluminação forte, sua tela parece realmente um pedaço de papel.

Conexões para um possível dock e informações do Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Conexões para um possível dock e informações do Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

Interface e usabilidade  

Mesmo parecendo tão simples, o Kindle 4 possui diversas funções úteis para a leitura. É possível acertar o tamanho do texto (oito opções diferentes), o tipo de letra (regular, condensado e sem serifa), o espaço entre linhas, o número de palavras por linha e também a rotação da tela.

Os e-books disponíveis são todos apresentados em uma lista, logo que se liga o aparelho. É uma interface simples e textual – toda em português –, sem imagens de capa. Para chegar nas informações, é preciso pressionar o botão de avançar página sobre o título desejado.

Botões de navegação do Amazon Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Botões de navegação do Amazon Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

Na home, é possível fazer uma busca em todos os livros ao mesmo tempo, uma função muito útil. No mesmo local, você também já pode procurar leituras na loja Kindle, no Google, no dicionário, na Wikipédia e ir para a web.

Falando em dicionário, essa é mais uma função muito interessante. Agora, com a versão brasileira, está disponível o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, além do Oxford em Inglês. Com isso, basta levar o cursor pelo texto, parando na palavra desejada para, em um segundo, ver a definição da palavra. Ótima função para quem está lendo livros com palavras muito complicadas ou em uma língua que não domina muito bem.

Kindle 4: leitura boa graças à tela fosca e sua tecnologia especial (Foto: Stella Dauer)Kindle 4: leitura boa graças à tela fosca e sua tecnologia especial (Foto: Stella Dauer)

Uma das boas vantagens de um e-reader em relação a um livro normal é o sistema de anotações. No meio da leitura, você pode gravar notas, grifar trechos e colocar marcadores. Tudo é disponibilizado em um arquivo separado de texto, que identifica de onde veio cada trecho e faz backup de tudo.

O backup, aliás, é feito no serviço de armazenamento em nuvem da Amazon, do qual todo usuários do Kindle tem direito a 5 GB gratuitos. Além das anotações, seus e-books e até mesmo os arquivos pessoais que estiverem no aparelho terão uma cópia de segurança guardada por lá. A qualquer hora, você pode acessar seus arquivos, até os que não estejam mais no e-reader.

Reflexo na tela do Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Reflexo na tela do Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

A compra dos e-books pode ser feita tanto pelo site da Amazon como pelo próprio dispositivo, que dá acesso à loja virtual da empresa. E, se você gostar, pode configurar a compra com um clique, tendo o livro completo em menos de um minuto.

Acesso à Internet

Para a realização de todas as funções, o aparelho conta com rede Wi-Fi, que funciona muito bem e é bem fácil de configurar. É graças à conexão, aliás, que você pode acessar redes sociais. Assim, ao grifar um trecho de um livro, por exemplo, você pode compartilhá-lo pelo Facebook ou Twitter.

E é também com o Wi-Fi que você pode habilitar as notas públicas e os destaques populares. Além de poder ver anotações feitas por outras pessoas no título que você está lendo, também é possível conferir os trechos mais grifados pelos que já leram a publicação.

Na configurações, você pode definir uma senha para acessar o aparelho, configurar os controles parentais (evitando que crianças acessem conteúdo impróprio ou mesmo façam compras) e também colocar informações pessoais, caso perca o e-reader e alguém o encontre.

Tinta eletrônica do Kindle 4 parece papel (Foto: Stella Dauer)Tinta eletrônica do Kindle 4 parece papel (Foto: Stella Dauer)

 

Uma das grandes dificuldades do Kindle 4, porém, é a escrita. Para digitar algum texto, é necessário usar o pad para ir correndo por cada um das letras, uma por uma. Apesar de ser bem rápido, é um suplício escrever um simples endereço de e-mail nele.

O botão central (pad de navegação) é pequeno e bem difícil de manipular. O pad também controla um cursor, que é utilizado em um navegador experimental disponível no menu da home. É um browser muito simples e possui as limitações da tela (nada de YouTube), mas quebra um galho em uma emergência.

Vantagens da plataforma

Uma das principais vantagens em se adquirir um produto fabricado pela Amazon é que a empresa não brinca em serviço. O atendimento geral deles é um dos melhores que o brasileiro poderá encontrar, uma vez que eles fazem de tudo para que o cliente nem tenha que reclamar.

Outro ponto positivo é a possibilidade de ler os livros da Amazon em todas as plataformas digitais: além do e-reader e do tablet (Kindle Fire, que ainda não chegou ao Brasil), é possível baixar apps para Mac, Windows, Android, iOS, Windows Phone e BlackBerry.

Kindle 4 possui um browser primitivo (Foto: Stella Dauer)Kindle 4 possui um browser primitivo (Foto: Stella Dauer)

Formatos aceitos

O formato comum dos arquivos do Kindle é o AZW, que não é tão completo quanto o popular ePub. O Kindle também lê arquivos em PDF, mas a tela do produto não facilita muito a visualização deste tipo de formato.

Para quem possui documentos em PDF, RTF e DOC, também há a opção de conversão dos arquivos, que podem ser feitas pela própria Amazon, de duas maneiras: enviando o arquivo para um e-mail especial da empresa, que o devolve convertido; ou utilizando o aplicativo Send to Kindle, que além de enviar arquivos via Wi-Fi para o aparelho, também faz a conversão.

Caixa do Amazon Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Caixa do Amazon Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

Se seus livros estão no formato ePub, aí é mais complicado. É necessário convertê-los utilizando outros aplicativos, como o Calibre, que é gratuito e aberto, mas que não é muito simples de manusear. E se você tiver comprado o ePub de uma loja que vende os arquivos com DRM (proteção contra pirataria), é mais complicado ainda, pois você terá que quebrar essa proteção.

Sobre toda essa história de conversão, é bom lembrar que os documentos transformados podem não funcionar perfeitamente, principalmente se forem PDFs. Cada formato possui peculiaridades, que nem sempre são entendidas ou reconhecidas pelo sistema. O melhor mesmo é sempre usar o formato nativo.

Por fim, o Kindle também aceita HTML, JPEG, MOBI, PRC, AZW3, GIF, PNG e BMP (alguns precisam de conversão). Esse formatos são úteis não apenas para visualizar fotos, como também para ler quadrinhos, por exemplo.

Traseira emborrachada do Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Traseira emborrachada do Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

Bateria e armazenamento

Todo e-reader traz alegria quando falamos em bateria, mas o Kindle foi um dos primeiros aparelhos móveis a alcançarem uma marca invejável de mais de um mês sem recarga, mesmo com leituras diárias de duas horas. Além disso, para carregar o produto, bastam três horas conectado ao computador.

O Kindle 4 vem com 2 GB de espaço interno, sendo 1,25 GB disponíveis ao usuário. Nesse espaço, uma vez que o arquivo MOBI é bem leve, é possível guardar mais de 1400 livros, o que é uma ótima marca. Porém, a possibilidade de expandir a memória com cartões microSD faz falta, já que assim seria possível abusar de imagens e quadrinhos no aparelho.

Botões do Kindle para virar e voltar páginas (Foto: Stella Dauer)Botões do Kindle para virar e voltar páginas (Foto: Stella Dauer)

Mas um tablet faz muito mais coisas!

O debate entre as funções de um e-reader é um tablet já é antigo, e difícil de resolver. Diversas pessoas questionam o fato de um tablet fazer muito mais do que o leitor de e-books. No Brasil, esta declaração faz bastante sentido, já que por aqui o e-reader custa quase o mesmo que um tablet mais simples. Nos Estados Unidos, a diferença é muito maior - o Kindle, por exemplo, sai por US$ 70, enquanto os tablets começam por US$ 200.

Mas, tratando apenas de fatos da tecnologia, a tela do Kindle é bem mais confortável para leitura que qualquer modelo de tablet. Se a inteção do usuário é praticamente ler, não tem nem como comparar. Além disso, ele é mais leve, não esquenta, tem bateria super longa e tem uma tecnologia que quase simula um livro de verdade.

Os preços no Brasil

O Kindle brasileiro é, com certeza, bem mais barato do que os demais e-reader que chegaram aqui anteriormente, mas ainda é muito caro. O aparelho está disponível no site da Amazon por R$ 299. Além disso, observando os preços, é possível perceber que os e-books também custam muito, muitas vezes até mais do que um livro impresso.

Entretanto, para quem gosta mesmo de ler, há livros a preços mais populares no acervo nacional da Amazon (e no internacional, também). São mais de 1300 e-books que custam menos do que R$ 4,99. Há também mais de 650 gratuitos e mais de 1800 abaixo de R$ 9,99. É livro para ler durante toda vida.

Conteúdo da caixa do Amazon Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)Conteúdo da caixa do Amazon Kindle 4 (Foto: Stella Dauer)

O que vem na caixa

Na bonita caixa do Kindle, você encontra um manual rápido, um cabo micro USB e o próprio aparelho. A Amazon é sempre sucinta, e nunca envia mais do que o necessário. Se você deseja mais acessórios, é possível comprar (no site internacional) plug para tomada, capas, películas, luz de apoio, entre várias outras coisas.

Ficha técnica

Tela: E-ink de 6 polegadas
Resolução de tela: 600 x 800 pixels
Memória RAM: n/d
Armazenamento interno: 2GB (1,25 GB para o usuário)
Conectividade: USB, WiFi b/g/n
Dimensões: 16,5 11,4 x 0,8 cm
Peso: 170 gramas
Autonomia de bateria: Mais de quatro semanas
Itens inclusos: Aparelho, cabo micro USB e guia rápido

Nota TechTudo

NOTA tt
9.0
Design
9
Desempenho
9
Custo-benefício
9

Prós

  • * Tela de excelente qualidade;
  • * Enorme acervo de livros;
  • * Backup na nuvem;
  • * Acesso a documentos pessoais;
  • * Wi-Fi e navegador de internet.

Contras

  • * Não aceita formato aberto ePub;
  • * Sem expansão de memória;
  • * Caro, comparado aos EUA;
  • * Sem assistência técnica no país;
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Sergio Vasconcelos
    2014-10-28T12:43:02

    Comprei um e estou gostando. Mas, ao contrário do que é dito acima, a conversão de arquivos .epub para .azw no Calibre é bem simples, rápida e intuitiva. De fato, o uso do Calibre é muito intuitivo. O senão para o Kindle 4 fica nos arquivos PDF e na hora de usar o teclado virtual para digitar alguma coisa: é o parto de um porco-espinho.

  • Eliane Albuquerque
    2014-04-03T18:09:41

    Amo meu tablet ! vale muito a pena comprar e ao contrario do que diz acima é muito fácil converte de epub para MOBI pelo Calibre. Compre sim, é muito bom, mesmo não tendo luz interna é muito bom.