Por Thomas Schulze; Por TechTudo

TechTudo

Kirby & the Rainbow Curse é a estreia do mascote Kirby no Wii U, em uma aventura que transborda carisma e fofura graças ao seu visual inspirado em massa de modelar. Lançado exclusivamente para o console da Nintendo, essa sequência espiritual de Kirby: Canvas Curse é uma ótima opção para quem busca jogabilidade baseada na tela de toque do Gamepad.

Desde que Masahiro Sakurai criou Kirby no GameBoy, o mascote apareceu em todo console da Nintendo, sempre procurando modos de inovar em sua jogabilidade. A bola da vez, é arrastar o arredondando herói pelo mundo criando trilhas para que ele role até o final da fase.

kirby-and-the-rainbow-curse5 — Foto: TechTudo

A única forma de controle permitida é arrastar a Stylus pela tela do Gamepad, criando um caminho conforme você desenha. Apesar do conceito divertido, jogar continuamente com a canetinha acaba cansando a mente e os dedos, então o ideal é curtir Kirby & the Rainbow Curse em pequenas sessões.

A confusão começa quando maléficas criaturas invadem o planeta Popstar, o lar de Kirby e seus amigos, e roubam todas as cores do mundo. Ou quase todas. Junto com os vilões chega Eline, uma fada em forma de pincel, que consegue salvar Kirby e seu parceiro Waddle Dee, levando ambos para ajudá-la em Seventopia, o reino onde começa toda a confusão.

kirby-and-the-rainbow-curse1 — Foto: TechTudo

O uso de cores é a base da jogatina, pois enquanto o jogador desenha caminhos para Kirby passear pelas fases, acaba consumindo um pouco do medidor de tinta . Se ele secar, é preciso esperar um pouco até que se regenere. Uma espera que pode ser fatal caso a tinta acabe acima de um abismo ou em frente a um inimigo mortal.

Cada fase esconde diversos e colecionáveis segredos, o que aumenta o fator replay e estimula o jogador a voltar para tentar melhorar sua pontuação. Quanto mais estrelinhas forem obtidas, melhor será sua medalha de desempenho, que pode ser de bronze, prata ou ouro.

Para ganhar estrelas basta explorar cada canto do cenário ou destruir inimigos. Mas isso também traz outras recompensas bacanas, como os cinco baús bem escondidos em cada nível. Encontrá-los garante bônus como faixas da trilha sonora do jogo.

kirby-and-the-rainbow-curse2 — Foto: TechTudo

Esses troféus servem como modelos 3D dos personagens, todos acompanhados de biografias com informações divertidas. 

Os gráficos inspirados em massinha de modelar ajudam o título a se consagrar como um dos mais bonitos — e fofos — da geração. Cada mundo possui identidade própria e diversas temáticas, tudo culminando em combates inspirados contra chefões intimidadores.

kirby-and-the-rainbow-curse3 — Foto: TechTudo

Superar os desafios exige habilidade no manejo da stylus, mas felizmente é possível jogar cooperativamente com um amigo, que assume o controle de Waddle Dee, caso você tenha um pro controller ou wiimote sobrando.

O segundo jogador acaba curtindo uma jogabilidade muito mais tradicional, movendo o personagem com o direcional analógico e botões de pulo e ataque. Em contrapartida, apenas o primeiro jogador, munido do Gamepad, pode desenhar trilhas pelo mapa.

Essa diferença torna claro um dos maiores problemas de Kirby & The Rainbow Curse: quem joga na tela do Gamepad perde a beleza e detalhes dos gráficos em alta definição que aparecem na televisão. Um grande e lamentável desperdício.

kirby-and-the-rainbow-curse4 — Foto: TechTudo

Kirby & The Rainbow Curse, apesar de parecer um game bem simples, conta com lindos gráficos, trilha sonora caprichada e diversos modos de jogo. A jornada é curta, mas os colecionáveis garantem bons motivos para revisitar as fases. Se ao menos fosse possível jogar olhando para a televisão ao invés da tela do Gamepad, ficaria mais fácil curtir tudo que o jogo tem de bom.

Qual é o personagem mais forte da Nintendo? Comente no Fórum do TechTudo.

8

Gráficos
10
Jogabilidade
6
Diversão
8
Som
8

Prós

  • Muito carisma e fofura nos gráficos em estilo massinha
  • Batalhas criativas contra chefões
  • Boa quantidade de colecionáveis aumenta o fator replay
  • Suporte à jogatina cooperativa

Contras

  • Jogar só com a stylus cansa
  • Atenção exclusiva ao Gamepad não permite admirar o jogo
  • Poderia ter mais fases

Mais do TechTudo