Jogos de RPG

NOTA tt
5.8

Review Leap of Fate

Magia, hack n’ slash e uma experiência única marcam o jogo roguelike. Confira a análise completa!

André Luiz de Mello Pereira
por
em

Leap of Fate, game lançado através do sistema de Early Access do Steam, coloca o jogador no controle de um mago em meio a uma trama de conspiração e magia, com pitadas de cyberpunk. Será que, mesmo em sua versão de acesso antecipado, o jogo consegue apresentar uma experiência emocionante aos fãs do gênero cyberpunk ou falta muito para ser um título decente? Descubra na análise completa:

Confira o review completo de The Binding of Isaac: Rebirth

Se torne o maior mago do mundo

Leap of Fate começa com uma animação um tanto pobre mostrando que forças malignas podem tomar a Terra a qualquer momento e cabe a você, um mago iniciante, impedir a destruição de todo o mundo. Para isso, você precisa passar por alguns testes e, no processo, se tornar o maior mago do planeta. 

Se transforme no maior mago do mundo em Leap of Fate (Foto: Divulgação/Clever-Plays)Se transforme no maior mago do mundo em Leap of Fate (Foto: Divulgação/Clever-Plays)

A história de Leap of Fate é um tanto genérica e poderia apresentar mais nuances. O fato de a versão Early Access trazer apenas um personagem (são prometidas quatro classes distintas na edição final) também prejudica um pouco na expansão da trama.

Mesmo assim, é possível dizer que o jogo consegue mesmo prender a atenção através do gameplay. Utilizando uma visão isométrica, mouse e teclado são usados para mirar nos oponentes e se movimentar pelo cenário.

Lute contra robôs e humanos no game (Foto: Divulgação/Clever-Plays)Lute contra robôs e humanos no game (Foto: Divulgação/Clever-Plays)

Os comandos, inicialmente, são um pouco estranhos, mas um pouco de prática revela o quão responsivos eles verdadeiramente são. Com o avanço pelo game, é possível destravar diferentes habilidades, tornando o seu personagem cada vez mais forte e gerando novas possibilidades de combinação de poderes para o campo de batalha.

Morreu, perdeu

Leap of Fate começa relativamente fácil. Após passar pelo tutorial e, assistir a uma animação com uma dublagem incrivelmente amadora, você entra na sala dos magos. Nela, terá que selecionar em um baralho todas as suas missões.

O jogo prometia um esquema de card game na sua página no Steam, mas, na prática, é somente um apanhado de fases que são acessadas através das cartas.

Selecionando as missões no game (Foto: Divulgação/Clever-Plays)Selecionando as missões no game (Foto: Divulgação/Clever-Plays)

Cada uma dessas missões é gerada de maneira aleatória, fazendo com que toda vez que você inicie o game, ele apresente fases diferentes para dominar. Ao final de cada um desses estágios, você ganha experiência e itens para o seu personagem, podendo evoluí-lo da maneira que desejar.

Tudo é incrível até o momento da morte. Como acontece em vários jogos roguelike, como The Binding of Isaac ou Rogue Legacy, se você for derrotado, voltará para o início do jogo.

Isso mesmo, tirando as habilidades adquiridas com a experiência, todo o seu avanço é reiniciado no momento em que o personagem morre. Existem meios de continuar do mesmo lugar, utilizando itens especiais ou uma moeda conseguidas dentro do game. Mesmo assim, a ideia é passar por todas as fases de uma vez só, sem continues.

Isso e o fato de que as missões são geradas aleatoriamente aumentam de maneira considerável o fator replay de Leap of Fate, já que sempre terá algo diferente para fazer.

Um jogo vazio

O grande problema de jogos que são lançados em Early Access do Steam é que muitos ainda são bem incompletos. Leap of Fate tem toda a sua campanha pronta e liberada aos jogadores, mas o fato de disponibilizar apenas um personagem torna a experiência incompleta.

É possível finalizar o game em, aproximadamente, seis horas. É claro que você pode ficar evoluindo seu personagem, desbloqueando todas as habilidades de sua árvore de skills, mas não deixa de ser uma experiência curta, principalmente pelo valor solicitado pelo título.

Apenas um personagem foi liberado na rsão Early Access (Foto: Divulgação/Clever-Plays)Apenas um personagem foi liberado na versão Early Access (Foto: Divulgação/Clever-Plays)

Outro elemento que prejudica um pouco a diversão é que falta certo polimento do game. Os gráficos não são feios, mas poderiam ser melhores, as animações são bem amadoras e o trabalho de dublagem do jogo é tão ruim que chega a ser engraçado.

A movimentação de alguns inimigos ainda é bem estranha, apesar de o seu personagem se mover com uma fluidez impressionante. Isso é possível de arrumar com algumas atualizações, mas, por enquanto, tudo ainda parece inacabado.

Conclusão

Leap of Fate é um jogo interessante, com uma boa ideia, mas que ainda precisa de tempo para se tornar um bom game. Ele traz alguns elementos legais, mas, como um todo, falta aparar algumas pontas soltas e trabalhar melhor em coisas básicas, como os seus gráficos e apresentação de sua história.

Vale a pena comprar jogos no Steam? Comente no Fórum do TechTudo.

Nota TechTudo

NOTA tt
5.8
Gráficos
6
Jogabilidade
6
Diversão
7
Som
4

Prós

  • Árvore de skills extensa
  • Fases criadas de maneira aleatória
  • Fator replay alto

Contras

  • Dublagem amadora
  • Gráficos pouco polidos
  • Curto demais
  • Apenas um personagem na versão Early Access
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares