Jogos de aventura

NOTA tt
10

Review Ni No Kuni: Wrath of the White Witch

Uma aventura mágica e fantástica espera os jogadores neste excelente game para PlayStation 3 que não faz feio se comparado aos clássicos eternos do gênero.

Dário Coutinho
por
em

Ni No Kuni é um RPG japonês lançado para PlayStation 3. A união entre o famoso estúdio de animação japonesa, Ghibli, e a produtora de games LEVEL-5, conhecida nas terras nipônicas, resultou em um game primoroso e que não faz feio frente à tradição de JRPGs. No Brasil, o game chegou com o título de Ni No Kuni: Wrath of the White Witch (“O Segundo País: A Ira da Bruxa Branca”, em uma tradução livre). Veja nossa análise sobre o título:

Ni No Kuni: Wrath of the White Witch (Foto: Divulgação)Ni No Kuni (Foto: Divulgação)

História inocente e cativante

O Estúdio Ghibli é mundialmente conhecido por fazer histórias puras e comoventes, com personagens marcantes e não raramente com temas ligados à infância. Essa também é a pegada de Ni No Kuni. No jogo controlamos Oliver, um garoto de 13 de anos de coração puro que, após sofrer um acidente de carro, é salvo por sua mãe que vem a falecer em seguida.

Desolado e se sentindo culpado pelo ocorrido, Oliver chora e suas lágrimas caem em um boneco de pano feito por sua mãe. O bicho de pelúcia ganha vida, se revelando como Drippy, o senhor das fadas, e convida Oliver para uma aventura em um mundo paralelo. Neste mundo, a mãe de Oliver ainda vive na forma de uma grande feiticeira, Alicia. O menino deverá então libertar Alicia da prisão de Shadar, uma entidade maligna, para trazer sua mãe de volta à vida.

Ni No Kuni tem história tocante (Foto: Reprodução / Dario Coutinho)Ni No Kuni tem história tocante (Foto: Reprodução / Dario Coutinho)

De posse de um livro mágico encontrado por Drippy, Oliver parte para o outro mundo e, conforme a história avança, ele irá se tornar um mago poderoso que irá ajudar a salvar esse “outro mundo” ou “segundo país”.

Trabalho de arte encantador

O desenho animado produzido pelo estúdio Ghibli para o jogo, nos faz repensar o uso de cut scenes. Não raramente criticadas em outros jogos, o uso dessas cenas não interativas em Ni No Kuni passam longe de serem cansativas. Como sempre, o estúdio japonês presenteia o espectador com traços leves, mas com uma animação marcante.

Impossível pensar em "Skip" com cenas de animação tão belas (Foto: Divulgação)Impossível pensar em "Skip" com cenas de animação tão belas (Foto: Divulgação)

O visual do jogo durante as cenas interativas, ou seja, propriamente no jogo, é em cellshading (técnica usada para simular desenhos animados em 3D). Colorido e bonito, o visual remete diretamente à animação produzida especialmente para o jogo. A trilha sonora é outro ponto que foi cuidado com maestria pelo estúdio LEVEL-5 . O deleite auditivo vem da mente de Joe Hisaishi, compositor que também colaborou com o Estúdio Ghibli em filmes como Nausicaä do Vale do Vento.

Jogabilidade clássica

O sistema de jogo lembra clássicos como Final Fantasy e Dragon Quest. O jogador se aventura em um mundo mágico e gigante, dividido entre dois tipos de mapa, um menor e outro maior. No maior, as lutas são aleatórias, já no mapa menor, os combates podem ser evitados, precisando apenas fugir das criaturas ou passando pelas costas delas. Há até um dragão que pode ser usado para viajar pelo mapa maior do jogo, o que lembra o uso de dragões como meio de transporte em Secret of Mana, outro clássico da geração 16 bits.

Ni no Kun possui um vasto mundo para explorar (Foto: Divulgação)Ni no Kun possui um vasto mundo para explorar (Foto: Divulgação)

O foco principal de Ni No Kuni é o desenvolvimento da história e não há qualquer jogabilidade online. Para resumir ao máximo o desenvolvimento dos personagens, os objetivos principais são aumentar de nível e aprender novos feitiços. As side quests (missões paralelas) são quase tão importante quando as missões principais do jogo. Nelas, o jogador ganha pontos que serão mais tarde recompensados na forma de pontos de vida extra nas batalhas e outras vantagens.

As side quests, refletem a mensagem principal do jogo, de que uma pessoa deve ser boa e tentar ajudar os outros. Esse sentimento de “boa vontade” já foi utilizado em jogos como Okami (Capcom). Sendo assim, os objetivos que devem ser cumpridos em Ni No Kuni
expressam muito bem essa mensagem.

Ni No Kuni é uma aventura mágica (Foto: Divulgação)Ni No Kuni é uma aventura mágica (Foto: Divulgação)

O Sistema de combate

O sistema de combate de Ni No Kuni é semelhante ao de jogos como Final Fantasy XII. Trata-se de uma mistura de combate em tempo real com turnos. Nele, o jogador ainda comanda a ação através de menus, porém toda a ação acontece quase instantaneamente e é permitido ao jogador se movimentar livremente pelo campo de batalha.

Sistema de combate agrada tanto quem gosta de turnos como combate em tempo real (Foto: Divulgação)Sistema de combate agrada tanto quem gosta de turnos como combate em tempo real (Foto: Divulgação)

Porém, há um pequeno contador de tempo e um atraso, tanto nas ações comandadas pelo jogador como na dos inimigos. Isso permite realizar escolhas entre os menus de combate. Ao enfrentar chefes, esse sistema se mostra curioso. Como não há turnos, os inimigos declaram um golpe poderoso através de um balão de texto. Nesse curto espaço de tempo, o jogador tem como opção tentar fugir, movimentando-se pelo cenário ou adicionar a defesa e pedir para que seus amigos do grupo também o façam.

Além disso, o jogador pode escolher jogar com todos ou apenas predefinir estilos de conduta para os dois magos que acompanham Oliver, como: atacar o inimigo que o líder do grupo estiver atacando, atacar os inimigos mais fracos, cura automática e muitos outros.

“Temos que pegar” e não são pokémons

Em Ni No Kuni, além de magias, Oliver e seus amigos podem evocar criaturas chamadas "familiares", que têm uma leve semelhança com pokémons. São mais de 400 tipos diferentes de monstros domesticáveis, cada um com magias e golpes únicos.

Criaturas do jogo podem ser capturadas como se fossem "pokémons". (Foto: Divulgação)Criaturas do jogo podem ser capturadas como se fossem "pokémons". (Foto: Divulgação)

O fato curioso desses familiares é que você pode predefinir ações para eles ou até mesmo controlá-los em combate separadamente. Outra semelhança com pokémons é seu sistema de evolução, baseado nas características de combate escolhidas pelo jogador. Também é possível equipá-los com novas armas, roupas e itens que melhoram atributos.

Na mitologia do jogo, os familiares são espíritos de combate personificados em carne, eles são parte dos próprios personagens humanos, como Oliver e os outros magos. Por conta disso, tanto o HP e MP (pontos de vida e magia) são compartilhados entre os personagens humanos e familiares.
 
Logo no começo do jogo Oliver ganha um familiar de uma árvore falante. Posteriormente para conseguir capturar outros espíritos, o jogador terá que contar com a ajuda de outra personagem.

Jornada longa, mas nem um pouco tediosa

Ni No Kuni possui muito conteúdo para explorar. Focando apenas na história, o jogador termina o game em torno de 40 horas, sendo que facilmente chega-se as 60 horas de jogo com as várias side quests. Nem um pouco cansativo, o título tem um ótimo ritmo e é justamente esse um dos grandes méritos deste RPG. Não há quests desnecessárias e chatas. Em Ni No Kuni, a narrativa é conduzida com a maestria digna de um filme da Ghibli.

Oliver e sua turma, prontos para mais uma batalha (Foto: Divulgação)Oliver e sua turma, prontos para mais uma batalha (Foto: Divulgação)

Destacam-se ainda, a complexidade e dificuldade do jogo. O game não é fácil e irá exigir uma boa dose de perseverança por parte do jogador. Feito aos moldes dos JRPGs clássicos, Ni No Kuni tem um desenvolvimento inicial lento, mas ritmado e que exigirá preparação para enfrentar alguns inimigos. Isso pode deixar o jogo frustrante para os apressadinhos que queiram ver logo o final.

Chegada tardia ao ocidente

Ni No Kuni para PlayStation 3 foi lançado no Japão em 2011, entretanto o game só chegou ao ocidente este ano, 2013, quase dois anos depois. A má notícias para jogadores brasileiros é  que não houve qualquer localização para o português, nem mesmo nas legendas.

A edição de colecionador do jogo acompanha um manual no mesmo formato do livro presente no game, o Wizard Companion. Esta versão é bastante rara e só pode ser encontrada atualmente em sites de leilão.

RPG nos moldes clássicos para a geração atual (Foto: Divulgação) (Foto: RPG nos moldes clássicos para a geração atual (Foto: Divulgação))RPG nos moldes clássicos para a geração atual (Foto: Divulgação)

Conclusão

Ni No Kuni é o herdeiro digno dos clássicos jogos de RPG das gerações 8 e 16bits. Se algum dia você já foi fã de Final Fantasy, Secret of Mana, Chronno Trigger e outros, o game irá saciar sua sede por histórias puras e cativantes. Fortemente recomendado para qualquer fã de JRPGs que gostam de longas jornadas e universos fantasiosos em clima de animê.


Qual o melhor RPG dessa geração de consoles? Comente no nosso fórum.

Nota TechTudo

NOTA tt
10
Gráficos
9
Jogabilidade
10
Diversão
10
Som
10

Prós

  • - História Marcante
  • - Muitas horas de jogabilidade
  • - Grande variedade de objetivos
  • - Animações do estúdio Ghibli

Contras

  • - Sem dublagem ou legendas em português
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Matheus Torres
    2017-04-29T15:17:03

    Um dos melhores jogos que já joguei, dá uma sensação muito boa conseguir jogar algo assim hoje em dia. Fazem uns dois anos que joguei o game e essa review me deu vontade de rejoga-lo. Não entendi o porquê do 9 nos gráficos, pra mim eles cumprem sua função de estabelecer uma temática mais infantil.

  • Danilo
    2015-04-07T12:56:10  

    Sem chance RPG q não tenha legenda em português, não da;

    recentes

    populares

    • Danilo
      2015-04-07T12:56:10  

      Geração que cresceu nos anos 90 manda abraços

  • Luiz Souza
    2013-10-03T16:19:31

    Nuss vei 10 eu não joguei o jogo, mas não ta muito exagerado naç?

  • Django Ebert
    2013-10-05T12:25:34

    O jogo é muito bom mesmo, maravilhoso um excelente exclusivo pra PS3. Pra donos de Xbox 360 que gostarem desse estilo eu faço uma recomendação, joguem BLUE DRAGON, jogo exclusivo do 360, produzido em conjunto pelos criadores de Chronno Trigger, Final Fantasy e o desenhista de Dragon ball Z. Jogo ao meu ver imperdível pra quem curte RPG.

  • Werlleson Castro
    2013-10-04T11:17:33

    Muito Bom :)