Jogos de aventura
Publicidade

Por Alfredo Carvalho, para o TechTudo


Sonic Origins é a mais nova coletânea lançada pela Sega que reúne os principais jogos clássicos do ouriço, lançados nos anos 90 para o console Mega Drive. Nela é possível encontrar os games Sonic The Hedgehog, Sonic The Hedgehog 2, Sonic 3 & Knuckles e Sonic CD, todos remasterizados em resolução widescreen 16:9, rodando a 60 quadros por segundo e com algumas melhorias de gameplay.

O título foi lançado em 23 de junho para PlayStation 5 (PS5) e PlayStation 4 (PS4), Nintendo Switch e PC por R$ 214,95 na versão mais simples e por R$ 239,90 na edição Digital Deluxe. Já no Xbox One e no Xbox Series X/S, o pacote pode ser adquirido por preços que variam entre R$ 226,06 até R$ 252,35, na versão mais completa. O TechTudo testou Sonic Origins e conta como foi a experiência oferecida pela coletânea.

Coletânea Sonic Origins reúne os jogos quatro jogos clássicos do Sonic — Foto: Reprodução/PS Store

👉 Não consigo entrar no Sonic no Lego Dimensions: o que fazer? Tire dúvidas no Fórum do TechTudo

História mais detalhada

Os quatro games de Sonic Origins contam a história do pequeno e veloz ouriço azul, que vivia em paz na região de Green Hill na South Island, até que o local foi atacado pelo vilão Dr. Eggman, que começou a sequestrar os animais da ilha. Para resgatar os amigos, Sonic contará com a ajuda da raposinha Tails e do poder das sete esmeraldas do caos, que concedem poderes especiais ao personagem.

Os jogos clássicos do ouriço vêm de uma época em que as histórias dos games eram simples e, neste caso, o enredo funciona como uma justificativa para a gameplay. Isso não é um ponto negativo, pois é bastante funcional, porém alguns elementos se limitavam apenas aos manuais dos jogos. Em Sonic Origins, é possível entender os detalhes graças a cinemáticas que estão presentes no começo e final de cada game.

As animações são bem curtas, não possuem diálogos entre elas, mas são bastante intuitivas. Por meio delas, é possível compreender como foi o primeiro encontro de Sonic e Dr. Eggman; como o ouriço azul e o Tails se conheceram; e como o vilão conseguiu enganar Knuckles para fazê-lo acreditar que Sonic era o vilão. Todas essas questões já eram de entendimento comum dos fãs, mas ter isso mais detalhado é sem dúvidas um ponto positivo.

Com pequenas cinemáticas, Sonic Origins consegue contar os detalhes da história — Foto: Divulgação/Sega

Nostalgia aprimorada

Diferente de outras coletâneas do ouriço, esta não se trata de um remaster, pois todo o jogo foi reprogramado, o que possibilitou algumas mudanças. A primeira delas é a distribuição da tela que, diferente do clássico que rodava no aspecto 4:3, agora foi convertida para resolução widescreen 16:9. Essa alteração não é apenas gráfica, pois também muda o distanciamento de algumas plataformas, o que impacta na gameplay.

Como já era esperado, os jogos também rodam a 60 quadros por segundo, o que garante maior fluidez durante a jogatina, principalmente nos momentos de velocidade. Embora alguns jogadores de PC relatem problemas de slowdown, em nossos testes os games mantiveram um ritmo constante, sem nenhuma queda de desempenho.

Algumas melhorias de jogabilidade também podem ser vistas na coletânea, principalmente no primeiro Sonic The Hedgehog, tido por muitos jogadores como o título que pior envelheceu. Para contornar isso, a Sega adicionou no primeiro episódio a mecânica de spin dash, que permite ao personagem preparar um superataque em formato de bola e destruir quase tudo o que tem no seu caminho.

Outra novidade é a possibilidade de jogar ambos os títulos com Tails e Knuckles, com direito a mudanças de temática no menu de cada jogo, a depender do personagem escolhido. Em Sonic 2 e 3, o jogador pode escolher jogar individualmente ou em dupla, com as opções Sonic & Tails ou Knuckles & Tails. Já em Sonic CD, só é possível escolher entre Sonic e Tails.

Títulos podem ser jogados em resolução widescreen 16:9 e a 60 quadros por segundo — Foto: Divulgação/Sega

Mais acessibilidade

Por serem jogos da geração 16 bits, é comum que muitos os associem à alta dificuldade dos títulos da época. Embora Sonic não seja dos mais difíceis, ele poderia ser bastante punitivo para os novatos, principalmente para os que desejavam alcançar os 100% e reunir as sete esmeraldas do caos. Já em Sonic Origins, os jogadores encontrarão algumas facilidades, entre elas, as vidas infinitas, tempo ilimitado e os saves automáticos a cada checkpoint.

Ao invés de colecionar vidas, o jogador coleciona moedas douradas, que podem ser obtidas por meio dos monitores distribuídos pelo cenário, após reunir 100 anéis ou por meio da pontuação de conclusão de fase. Essas moedas podem ser utilizadas como chances extras nas fases bônus, o que torna menos árdua a tarefa de conquistar as sete esmeraldas do caos e, consequentemente, o Sonic dourado.

No entanto, aqueles que gostam de se desafiar ou são mais saudosistas, podem jogar ambos os títulos no modo clássico. Aqui, todos os aspectos dos títulos originais serão mantidos, entre eles a resolução de 4:3 e as vidas limitadas. No fim, a coletânea se prova bastante atrativa tanto para os novos jogadores, como para os mais conservadores.

Por outro lado, algumas frustrações também podem ocorrer no meio do caminho, já que Sonic Origins dispõe de alguns bugs que podem impedir o progresso do jogador. Durante nossos testes, presenciamos momentos em que o ouriço não conseguiu avançar porque algum evento que daria procedimento a fase não ocorreu. Nesses casos, a única solução foi voltar ao menu principal e dar load no checkpoint mais próximo.

É possível também jogar os games no formato clássico com resolução 4:3 — Foto: Divulgação/Sega

Conteúdo extra

Além dos quatro jogos, Sonic Origins dispõe de algumas novidades que podem dar mais longevidade aos títulos e agradar os mais entusiastas da franquia. A primeira delas é o modo espelho, liberado após zerar cada game, que permite jogar as aventuras em um modo invertido, como o próprio nome sugere. Já o modo museu reúne uma coleção de artes que ilustram os principais personagens da franquia. Outra adição é o modo de história, que possibilita jogar todos os quatro games na ordem cronológica, mas apenas com o personagem Sonic.

No entanto, a maneira como a Sega comercializou alguns desses extras criou também um dos principais problemas desta coletânea. O pacote de músicas clássicas, que é um item esperado em qualquer pacote comemorativo, só pode ser obtido via DLC ou por meio da versão Digital Deluxe. Além disso, por questões de direitos autorais, algumas faixas de Sonic 3 & Knuckles tiveram que ser substituídas.

A Sega também optou por vender separadamente os conteúdos que incluem missões mais difíceis e animações para os menus de jogos. Por mais que muitos destes conteúdos possam ser considerados “pequenos”, essa estratégia trouxe uma imagem bastante negativa para Sonic Origins e ofuscou as qualidades desta coleção.

No menu de seleção dos jogos, é possível acessar os extras da coletânea — Foto: Divulgação/Sega

Conclusão

Sonic Origins reúne quatro títulos que definiram a Sega no mercado de jogos e os apresenta para uma nova geração. Além de estarem mais acessíveis e menos punitivos, é possível jogar cada game em resolução widescreen e com uma taxa de 60 quadros por segundo. A possibilidade de jogar Sonic 1 e 2 com Tails ou Knuckles e a inclusão das cinemáticas que detalham o modo história também é outro fator que oferece charme para a coleção.

No entanto, a decisão de comercializar a coleção por cerca de R$ 214,95, valor considerado alto para muitos compradores, e não entregar todo o conteúdo esperado fez com que parte do brilho de Sonic Origins fosse perdido. Outro fator que pode incomodar alguns jogadores são os bugs que impedem o progresso nos jogos, um problema que deve ser corrigido com futuras atualizações.

9

Coletânea entrega nostalgia, mas cobra caro por isso

Game reúne quatro releituras de clássicos do ouriço com bastante melhoria, mas alguns conteúdos extras são vendidos separadamente
Nostalgia
10
Jogabilidade
9
Gráficos
9
Diversão
9
História
8
Mais do TechTudo