Por Felipe Vinha; Por TechTudo

TechTudo

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados marca a estreia de um jogo inspirado pelo famoso anime no PS4, mas que também saiu para PlayStation 3 e PC. O game aposta novamente no gênero de luta, assim como em Saint Seiya: Sanctuary Battle, mas fica devendo em alguns aspectos. Confira a análise completa e veja se vale a pena jogar a aventura de Seiya e seus amigos na nova geração:

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados é um jogo bem completo. O modo de história aborda quase toda a saga do desenho animado, exceto alguns spin-offs mais recentes e poucas partes do mangá original. A trama aborda a saga do Santuário, Asgard, Poseidon e Hades, com todas as batalhas em cada uma das opções.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados (Foto: Divulgação/Bandai Namco) — Foto: TechTudo

É possível jogar as sagas em qualquer ordem. Dentro delas há um caminho a ser trilhado, mas que também pode ser feito na sequência em que forem abertos, sem necessariamente seguir o que a história original conta. É bom o jogador ter essa liberdade, ainda que prejudique a narrativa, pois pode causar alguma confusão.

Porém, é excelente que haja, finalmente, um game de Cavaleiros do Zodíaco tão completo. A saga de Asgard, totalmente inédita até então nos jogos, é a principal novidade. A inclusão dos Guerreiros Deuses e Hilda, a líder, soma e muito com o título, não apenas para contribuir com o número de personagens no elenco, mas na riqueza de opções e variedades de golpes.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados (Foto: Divulgação/Bandai Namco) — Foto: TechTudo

De resto, a história de Alma dos Soldados é bem conhecida pelos fãs. A saga dos Guerreiros de Atena, como também são chamados os Cavaleiros, envolve conflitos intermináveis contra vilões que querem dominar a Terra e destruir a deusa da Justiça. Entram em cena jovens vestidos de armaduras baseadas em constelações para lidar com o problema e salvar o mundo.

No entanto, Alma dos Soldados pode ser considerado mais “fan service” do que um jogo verdadeiramente bom. Quem é fã da série antiga vai curtir bastante o game, principalmente pela dublagem brasileira conter as mesmas vozes da animação exibida nos anos 90. Contudo, a jogabilidade peca bastante em erros imperdoáveis.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados (Foto: Divulgação/Bandai Namco) — Foto: TechTudo

Apesar de simples, com botões de golpe forte e fraco e poucas combinações para ativar ataques especiais, a jogabilidade de Alma dos Soldados é repleta de desbalanceamentos. Se em um momento, por exemplo, podemos acertar o oponente de forma fulminante com o “Meteoro de Pégaso”, em outro o golpe pode ser cancelado com apenas um soco, sem qualquer explicação ou sem que o jogador preveja o contra-ataque.

Até mesmo os ataques Big Bang, que são os mais poderosos e, na teoria, indefensáveis, podem ser cancelados desse jeito, sem mais nem menos. Se em jogos de luta como Mortal Kombat X e Ultra Street Fighter 4 há formas criativas e mais elaboradas de cancelar ataques inimigos, aqui tudo ocorre de forma bem aleatória e frustrante.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados (Foto: Divulgação/Bandai Namco) — Foto: TechTudo

Isso se traduz em lutas repetitivas e pouco equilibradas. Em diversos embates nos nossos testes ganhamos apenas por conta das “magias” que voavam na direção do adversário sem parar, mesmo durante pausa para recarregar o cosmo, o que nos permitia lançar ainda mais projéteis. No final das contas, Alma dos Soldados ainda não é o jogo que os fãs esperavam, com jogabilidade de luta bem definida. Infelizmente, ele ainda continua bem raso, assim como os títulos anteriores.

Apesar de ter jogabilidade bem superficial e nada criativa, Alma dos Soldados é completo em termos de opções. Além de conter mais de 50 personagens, inclusive versões secundárias de muitos dos heróis, há ainda alternativas bem variadas nas modalidades. Uma delas é o multiplayer, que pode ser até online.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados (Foto: Divulgação/Bandai Namco) — Foto: TechTudo

Outra opção interessante, e que vale a pena ser citada, é a Guerra Galáctica, na qual o jogo monta um campeonato completo e permite ao usuário jogar com amigos até definir um campeão. Perfeito para festas. Por fim, cada modo do menu principal tem pelo menos seis ou mais segmentos. Apesar de ser fraco como título de luta por si, o novo Cavaleiros do Zodíaco tem recheio imenso e vai fazer valer a pena o seu tempo com o controle na mão.

Ponto importante também é a participação dos Cavaleiros de Ouro, que possuem praticamente um modo de história à parte, no qual liberam as Armaduras Divinas de Ouro. Infelizmente esta modalidade foi inspirada pelo novo desenho da série, Saint Seiya: Soul of Gold, produzido em paralelo ao game. Por causa disso, o anime não pôde ser reproduzido integralmente no jogo, mas a produção soube se sair bem – falar mais do que isso estraga algumas surpresas.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados (Foto: Divulgação/Bandai Namco) — Foto: TechTudo

Em termos de gráficos o jogo decepciona, até porque estamos acostumados com qualidade maior em games de anime como Naruto e One Piece. Cavaleiros do Zodíaco tem modelagem interessante para os personagens, mas as animações nada fluídas das cenas de corte deixam a desejar. As vozes, como já citamos, compensam muitos dos erros. É gratificante podermos nos divertir em um game da série com a mesma dublagem da época em que o anime passava na TV. Vale lembrar também que a localização para o português é total, inclusive dentro da luta.

Cavaleiros do Zodíaco: Alma dos Soldados é um jogo de luta bem fraco, com jogabilidade rasa e momentos inexplicáveis, mas aposta forte na nostalgia e na base de fãs que os personagens possuem, e por isso vale conferir se você cresceu com os Defensores de Atena. Além disso, a caprichada dublagem em português com as mesmas vozes do desenho está em alto nível e, para fechar, o elenco de guerreiros finalmente contempla toda a saga principal do desenho, de Santuário a Hades, incluindo a Saga de Asgad.

7.5

Gráficos
6
Jogabilidade
6
Diversão
8
Som
10

Prós

  • Número de personagens
  • Dublagem caprichada e completa
  • Muitos modos de jogo
  • Multiplayer variado

Contras

  • Jogabilidade rasa
  • Cancelamentos de golpes sem sentido
  • Animações
  • Poucos golpes

Mais do TechTudo