Publicidade

Por André Luiz de Mello Pereira; Por TechTudo

TechTudo

Wolfenstein: The Old Blood surgiu meio que do nada, servindo como prólogo para o excelente Wolfenstein: The New Order, ajudando a saciar a vontade dos fãs do game de 2014. Agora, chegou a hora de saber se ele conseguiu manter o nível do jogo anterior ou é apenas uma tentativa frustrada de reutilizar os bons momentos do título do ano passado. Old Blood está disponível para PS4, Xbox One e PC.

Old-blood-1 — Foto: TechTudo

Bem vindo de volta ao Castelo Wolfenstein

The Old Blood coloca o jogador novamente no controle de B.J.Blazkowicz, dessa vez, no meio da Segunda Guerra Mundial. Tentando impedir o avanço tecnológico do Terceiro Reich, que está fazendo experimentos com elementos sobrenaturais, o soldado vai até o Castelo Wolfenstein, centro de pesquisas nazista.

Lá, como você já deve imaginar, Blazkowicz é feito refém e deve não só eliminar seus captores como também conseguir uma vitória para os Aliados em uma guerra que já parece perdida.

ss_75d514c5a616903225f0112e3fe6f86c2b79dfb6 — Foto: TechTudo

A história de The Old Blood é interessante, mas deve agradar bem mais aos jogadores que não tiveram contato com The New Order. Isso acontece porque, após o game anterior, parecia que a franquia estava evoluindo e mostrando novas possibilidades para aquele universo. Aqui, é somente “mais do mesmo”.

Vale lembrar que esse “mesmo” ainda é de alta qualidade, mas não deixa de ser uma oportunidade um pouco desperdiçada ao colocarmos Blazkowicz novamente dentro do Castelo Wolfenstein na Segunda Guerra Mundial.

Untitled — Foto: TechTudo

Os gráficos de The Old Blood são também de alta qualidade, mostrando que o pessoal da MachineGames não relaxou ao lançar essa versão que “menor” de Wolfenstein.

Assim como aconteceu em The New Order, os comandos são precisos e divertidos, proporcionando ao jogador algumas horas de diversão sem medo de ser feliz.

Um bom elemento que, infelizmente, não chega aos pés de The New Order é a trilha sonora de The Old Blood.

Apesar de contar com poucos momentos memoráveis, as músicas do novo game são o equivalente de “músicas de elevador”. Uma pena, já que foi mostrado que os criadores do título conseguem fazer bem melhor que isso.

A dúvida entre se esconder ou participar de um tiroteio

Old Blood tem um equilíbrio interessante entre momentos de stealth e em que você deve sair dando tiros em tudo o que se move. Na parte mais furtiva, você consegue passar por vários inimigos sem chamar atenção, o que pode proporcionar sessões de pura tensão.

ss_05fdc17a2eaac3fbe2a0c6c2f740ee6857e23e15 — Foto: TechTudo

O problema dessas partes é que, mesmo o game apresentando diversos checkpoints, não é incomum você passar mais de dez minutos sem fazer barulho, apenas para algum inimigo avistá-lo, chamar reforços e obrigar a começar tudo de novo.

New Order, isso poderia ser resolvido com alguns dos melhores tiroteios em jogos FPS dos últimos anos, mas aqui, a quantidade de inimigos que servem como esponjas de balas muitas vezes tira a graça da troca de tiros.

Você conta com um armamento que é basicamente o mesmo do game anterior, mas em versões ainda preliminares das armas, casando com a época em que o jogo se passa (década de 40).

ss_1eacae802d22881d85e016ddfeab58cab7732e79 — Foto: TechTudo

Ainda é incrivelmente satisfatório decidir qual arma é a ideal para derrubar um tipo específico de inimigo, assim como é maravilhoso sair com uma metralhadora em cada mão, simplesmente trucidando tudo o que surgir pela sua frente.

Parece que eu já vi isso antes

O lançamento de Wolfenstein: The Old Blood pegou muita gente de surpresa pela proximidade de The New Order. Com o pacote apresentado pela Bethesda, é possível notar que o novo game é praticamente uma grande expansão, reaproveitando vários momentos e elementos já vistos antes.

ss_dd8d0a9a8a012ec1324d9775e15651628fb5a502 — Foto: TechTudo

São cenas que já foram mostradas anteriormente, seções on-rails, em que você apenas atira nos inimigos, sem ter escolha para o caminho que vai seguir, entre outros elementos que diminuem a experiência do jogo.

Levando em consideração preço e tempo de campanha (aproximadamente seis horas para finalizar os oito capítulos de história), é possível dizer que o pessoal da MachineGames e Bethesda resolveu fazer um dinheiro fácil.

Conclusão

Wolfenstein: The Old Blood é um bom jogo, fazendo valer o seu preço relativamente baixo para algo que poderia ter sido lançado pelo valor de títulos blockbusters.

Ele ainda tem alguns problemas, como inimigos “esponja de balas” e a sensação de que você está vendo uma aventura requentada, mas, com certeza, ainda diverte bastante e pode servir como um belíssimo teaser para aqueles que ainda não jogaram Wolfenstein: The New Order, um dos melhores games de 2014.


Qual o melhor FPS grátis online?
Dê a sua opinião no Fórum do TechTudo!

7.8

Gráficos
8
Jogabilidade
8
Diversão
8
Som
7

Prós

  • Belos gráficos
  • Comandos fáceis de dominar
  • Combates emocionantes

Contras

  • História curta e desinteressante
  • Sensação de “mais do mesmo

Mais do TechTudo